Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Anulei-me por Ti... - por Esther Rogessi

Olhamo-nos, e num repente... sentimos que nos pertencíamos.
Tu, mais jovem que eu – aparentemente não se percebia –, esta foi a causa da relutância em aceitar-te. Enfim, o amor falou mais alto que a razão. Vencida entreguei-me. – Sou dessas pessoas, que ama uma única vez – Não entendo, como pode alguém amar, amar, seguir amando a quem encontrar... Volúpia jamais será amor!
Quando amamos, o nosso coração é preenchido na sua totalidade; não há lacunas, carências... Não se procura o que se tem!
O mal foi que me doei de uma forma espetacular...
Estava sempre pronta para ouvir-te, e aconselhar-te, docemente. Foste descobrindo a vida ao meu lado... Cursos, faculdade... Eu sempre quis algo mais de ti... A forma de me amares sempre foi tão diferente da minha... por isso, sofro!...
Para alguns, a impressão que passas é de que não me amas tanto quanto eu te amo. Sei que não podemos julgar a medida do amor de alguém por nós, simplesmente por este não agir como gostaríamos que agisse... Mas como me faria bem se deixasses de fazer algo por colocar-me à frente de um sonho teu!... Tenho estabilidade financeira, visão em um futuro promissor, porém o meu maior sonho é ter a minha família... Cuidar do meu esposo e filhos. Não são bens materiais, porém a tranquilidade, o aconchego de um lar que me atrai. Quando estávamos prestes a casar, tudo marcado, tiveste a idéia de ir para a Inglaterra, aprimorar o idioma, trabalhar, melhorar teu currículo... Deixando-me pra trás. Jamais disse não... sempre te incentivei, melhor antes do que depois. Porém, não estou suportando a saudade, saio correndo do trabalho para chegar a casa, tranco-me em meu quarto, para ficar contigo – encontro virtual – falando e vendo-te, através da webcam. Isolei-me... anulei-me!... Não estou suportando, preciso viver! A vida está passando... Escoando entre meus dedos, tal qual pedra de gelo...
Volta... Esquece a terra da rainha... Sou mais eu!...



.

2 comentários:

_Gio_ disse...

O amor é cego, egoísta, e vive de momento. É preciso =o tempero da razão para poder mostrar que o sofrimento de hoje pode evitar futuras dores, e tornar mais brando o amor de amanhã.

O amor preenche mesmo todas as lacunas, e segue preenchendo-as por um tempo depois que nos deixa. Ficamos sozinhos, e ainda assim não achamos graça em ninguém mais. O mundo é cinza, sem graça, e descobrimos que há algo pior que amor não correspondido: o vazio de não amar ninguém.

É, talvez o amor nos deixe mal-acostumados.

Ana disse...

É isso aí, Esther! PODEROSA!!!!
Beijo!