Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




segunda-feira, 17 de agosto de 2009

De Goleada - por Ana

Meu sapo-rei sem pulôver,
Descalço... Está tremendo...
Coloca casaco, sapato!
Não adiantou... Estou vendo.

Tirita é de apavorado,
Bate os dentes sem parar!
Os joelhos: tec, tec!
Ó: cadeirinha pra sentar.

Pois percebeu no meu post,
Com intuição pós-matéria,
Que eu sou uma descendente
Da heroína Maria Quitéria.

Por aí você já vê
Que não sou da tua laia.
Veja bem se eu pareço
Ser parente de lacraia!

E Homem-Zoológico tu não é,
Pois a lista, veja você:
Morcego, lacraia, sapo...
Ninguém vai pagar pra ver!


Monge desarticulado!
Não digo que tu vai mal?
Dou um sopro miserinha,
Desanda tua energia vital.

Aí vem e joga praga,
Me chama de lazarenta,
Diz que tô com escorbuto,
Esclerosada e pustulenta...

Inda me põe boca inchada
Com mordida de dragão!
Imaginaram meu look?
Coisa mais linda tem não!


Sobre suas “explicações”
Aqui eu nem vou me deter...
Tu pensa que pode enrolar
A mim ou ao povo que lê...

Pode desistir, meu filho,
Isso é página virada.
Vitória magistral pra mim
E seu gol contra na parada.


Que Monge é esse, meu povo?
Vem me chamando de ladra!!!!
Tu toma cuidado, fedelho,
Ou a Escrevinha te enquadra!


E agora corrijo teu verso
(Foi problema cognitivo).
O que tu quis dizer foi:
“Cirurgicamente preciso do Ivo”.

Levou tanta bordoada...
Eu concordo com você.
Se quiser te levo lá,
Pro gênio te refazer.


E não adianta nem tentar
Jogar shintoni contra mim:
Garoto, sou torcida dele!
Shintoniete até o fim!


E a MELHOR cobra é a naja,
Tão linda e encantadora!
Só ataca se ofendida:
Ela não é provocadora.


Mancada? Não dei nenhuma!
Não adianta distorcer!
Já expliquei bem direitinho!
Não finge desentender...


Nonsense tá tua mente,
Indo lá proutros planetas...
Quer me rotular de ET!
Entupiu, tua ampulheta!


Contos de fadas ou fatos,
Este negócio é contigo...
Eu vivo bem na real:
Tu tá falando comigo!!!


Sobre os berros da torcida:
Tu viu? Não era sonho, não!
Pra que eu vou ser comedida?
O meu fã-clube é dos BÃO!

E já te digo o porquê
D’eu ter torcida cativa:
Eu amo a minha Fiel
E tenho visão coletiva!


E que golpe me acertou?
Eu continuo intacta!
Cê ainda não percebeu?
O que vem de ti não me impacta!

Quem saiu do duelo por fome,
Sem se aguentar em pé?
Quem delirava adoidado,
Implorando um filé?

Então para de despautério,
Altera essa ladainha.
Se refaz, depauperado:
Pega, vai roendo essa abobrinha...



Resposta a Soterrada da Semana e O Juiz Vai Apitar, Mas..., ambos de Gio.
Referências:
.

No Meio do Duelo... - por Gio

(Paródia [obviamente, haha] de “No Meio do Caminho”, de Carlos Drummond de Andrade)



I.
No meio do duelo tinha um intervalo
tinha um intervalo no meio do duelo
tinha um INTERVALO (Entendeu agora?)
no meio do duelo não tinha uma desistência.

Nunca me esquecerei desse aborrecimento
às minhas pobres retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do duelo
viste uma desistência
mas era um intervalo no meio do caminho
no meio do caminho tinha um intervalo.
.
.
.
II.
No meio do caminho da Ana tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho da Ana
tinha uma pedra (E que pedra!)
no meio do caminho tinha um meteorito.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida da dama de língua tão afiada.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho da Ana
tinha “A Pedra”
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha o seu ego.
.
.
.
Resposta a Prá Gio II, de Ana.
Referência a Aos Guerreiros, o Descanso!, de Gio.
.
.
.
Visitem Gio
.
.

Motivos - por Duanny

Posso dizer que tenho motivos para diversos assuntos ou, se preferir, alguns assuntos com meus motivos.
Meus motivos revelam quem eu sou, quem quero ser e quem uma dia eu já fui. Não se incomode, aquela garota que escrevia aqui, há um mês atrás, não existe mais. Gosto de pensar que ando em constante Metamorfose, como um Camaleão, que se transforma a cada ambiente, a cada cenário, a cada mudança.
Poderia nesse exato momento revelar alguns dos meus motivos óbvios e extremamente patéticos. Caso esteja se perguntando sobre meu repentino modo de colocar em palavras o que seria óbvio demais dizer, não é nada demais, talvez seja hora de um novo cenário.
Você quer um motivo para ler? Ler é a única maneira de fundir a Fantasia com realidade, de se transformar meros sonhos em objetivos concretos, de se superar e cativar a criatividade.
Você quer um motivo para acreditar nas pessoas? São os únicos seres da terra que podem te magoar, podem fazer você se arrepender, perdoar ou se apaixonar... Por que não podemos simplesmente acreditar nelas e pronto? Elas, ao contrário de certos animais, não precisam de tranquilizantes para serem acariciadas, mas ainda há quem duvide.
Você quer um motivo para ajudar o meio ambiente? Feche os olhos e respire bem fundo. Pronto! Agora você já tem um motivo.
Queria poder ter um motivo para cada ocasião, para cada atitude, para cada pensamento. Mas agora minha criatividade tem limites, talvez aos 14 anos não seja uma boa hora para pensar sobre certos assuntos. Mas quem somos nós para dizer o que deve ser feito, e quando?
Talvez eu seja mesmo aquela menina do outro lado da rua, com a risada esquisita, jeito escandaloso de se comunicar. Talvez seja eu mesma que esteja procurando motivos para deixar a vida de alguém um pouco mais feliz.



Visitem Duanny
.

Cecília Meireles, “Ou Isto Ou Aquilo” - Citada por Lélia

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.
.