Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




domingo, 28 de abril de 2013

As Sutilezas da Vida - por Ana

Há momentos em que somos tão sutis quanto uma manada de elefantes em fuga; mas o pior é quando isto acontece sem intenção. São as metáforas hilariantemente inspiradas e repentinas, aqueles insights originais que te fazem rolar por dentro e você fica doido pra dividir com o outro, aquela crítica cáustica que intrigou até a você mesmo pela perspicácia... Aí você abre a boca e, consequentemente, surge aquele abismo enorme entre você e o interlocutor. Onde eram esperados risos e opiniões, há apenas silêncio deprimido ou acusatório (quando não a própria acusação), e você percebe que deveria saber de algo que não lhe ocorre de forma alguma, você sente que falta alguma informação fundamental. Você acessa todos os arquivos mentais possíveis, desesperadamente, mas o seu mentel não te socore. Então só resta encarar a dura constatação: você deu um fora daqueles! Já era. Foi-se tudo por ralo abaixo: a conversa, a alegria, a empatia e, se duvidar, até mesmo a relação. Aquela se torna uma pessoa do outro lado de um fosso infinitamente profundo, que não permite pontes e ignora seus amigáveis sinais de fumaça. A vaca foi, definitivamente, pro brejo. Na carreira, com os tais elefantes...
.

.
.
.

Vem Pro Bar - por Renata Zonatto


 
E se me apaixonei...
Foi porque você me fez rir.
Me fez lembrar que é possível acreditar
em todas mentiras que contamos
numa mesa de bar.
 


 

Belo Breve Berro - por Jeff Oliveira


Ele era belo. O Tempo seu inimigo.
Era etéreo, o ser instante sua essência.
Ele era silêncio, seu contra-ponto era um berro.
Veio o tempo e levou sua beleza embora.
Veio o instante constantemente fazendo sua vida mais breve.
Também o silêncio foi rasgado pelo berro da morte.
Mais um Narciso que se foi.
Assim é a vida: Somente um Belo Breve Berro.


Visitem Jeff Oliveira              
 
 
 

Tem Muita Gente Falando Numa Língua - por Tércio Sthal

E INSISTINDO EM SEMPRE ESCREVER NOUTRA,
FAZENDO VALER O DISCURSO VERBORRÁGICO ONDE SÓ CABE
A ORDEM, A LÓGICA E O NEXO DO TALVEZ E DO QUEM SABE.




 
 
 





ACREDITANDO
 
Quero sempre pensar, sentir, imaginar, e seguir adiante,
mantendo, em mim, motivação suficiente para ser constante.

Não vim ao mundo para ser apenas uma pedra,
nem para viver no chão depois de sofrer a queda.

Aprendi com as abelhas que devo cumprir o meu papel,
ferroando quem atrapalha e fazendo deliciosos favos de mel.

Com as formigas aprendi que não devo trabalhar sozinho,
trabalhando em equipe o esforço é menor, é pequenininho.

As águias ensinaram-me a voar bem alto, e cada vez mais longe,
vir do céu ao chão para ganhar força e ir na direção do horizonte.

Creio que minhas ideias e lutas nunca serão em vão,
nem pelos vãos dos meus dedos se esvairão os meus anéis
creio que no compasso das batidas do meu coração
hei de estabelecer e cumprir cada um dos meus papéis.

Não hei de reclamar das densas nuvens, nem do sol quente,
todo dia será um bom dia para fazer brotar e crescer sementes.
 



Visitem Tércio Sthal                      
 
 
 

Selo “Mais Que Parceiros - Verdadeiros Amigos” - Recebido de DAS



 


 
Como regras...


1. Avise os blogs parceiros sobre o recebimento do selo nos comentários ou no livro de visitas.

2. Coloque o endereço da url do blog que criou o selo.

3. Coloque a url do blog que indicou o selo.

4. Coloque os blogs indicados por você para receber o selo.
Conforme shintoni, a indicação vai para os blogs de todos os autores.

 

O Duelos agradece, DAS!
 
 


Eram Tempos de Flor - por Adir Vieira

Eram tempos de flor aqueles em que o riso era meu companheiro de todas as horas...
Eram tempos de flor aqueles em que eu vivia a vida sem compromissos, sem rótulos, sem ter que fazer de mim o espelho exato do apêndice adquirido ao longo da vida...
Eram tempos de flor aqueles em que nada havia além de mim, pousando zombeteira em todos os palcos, responsável unicamente por mim mesma e por meus atos de alegria...
Eram tempos de flor aqueles em que a vida cheia para ser vivida mostrava a mim as verdadeiras nuances do prazer e do progresso...
Eram tempos de flor, em que o mínimo era tudo e só o amor dançava seus vários compassos, transformando a espera em sonho.
.