Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




terça-feira, 17 de novembro de 2009

Crise de Abstinência - por Fatinha

Querido Brógui:

Dez dias de abstinência. É muito tempo, muita privação.
No primeiro dia, o impulso de fazer uso. Coisa mecânica. Usa porque está lá, à mão e, já que está ali mesmo, dando sopa, porque não?
A partir do segundo dia, já caiu a ficha de que não vai ser possível contar com aquela companhia fiel, muleta total, fonte de prazer. Começa a dar saudades.
Depois, o inevitável: você percebe que rola uma relação de dependência. Você acreditava estar no controle da situação, mas não estava. Você é mero joguete nas mãos do hábito. Daí vem a sudorese, a insônia, os tremores nas mãos.
E aí, Querido Brógui? Ficou tenso? Tá nervoso achando que eu sou uma drogadita em fase de reabilitação e que você, logo você, nunca percebeu? Tá quase pegando o telefone pra me ligar e dar uma força? Já sei: vai mandar uma oração e uma receitinha infalível para aliviar o bode?
Relax, Brógui, relax. Eu estou me referindo aos dez dias em que meu computador ficou no estaleiro. Nada grave, a não ser a constatação de que tenho mais vícios (Ops! Agora o politicamente correto é falar “hábitos”) do que supunha. E você?



Postado, originalmente, em 02/08/2008.
.
.
.
Visitem Fatinha
.

Aconteceu - por Alba Vieira

Balanço vazio.
No parque, as pedras refletem o sol.
A tristeza espreita cada coração que por ali passa.
Entre a algazarra e o silêncio, a poça de sangue seca.



Visitem Alba Vieira
.

Ana Carolina, Você Nem Liga Pra Mim - por Escrevinhadora

.
Para minha comadre M.
.
.
.
Você não sabe como eu vim!
Atravessei a marginal, errei a ponte Transamérica
fui parar quase em Socorro
seu eu não corro, perco o show
cheguei meio passando mal, sentei no lugar errado
e você nem me viu na plateia.

Você não sabe que pra mim
o preço do ingresso é salgado
paguei estacionamento, só bebi água – muito cara –
usei batom, pus salto alto e meu vestido mais bonito
mas fiquei muito longe do palco
só vi tua cara no telão
e você nem ouviu os meus gritos.

Você não sabe que no fim
a volta pra casa é uma viagem
uma hora e tanto de estrada
com fome, com sono, frustrada
você ganhou os aplausos, eu nem foto autografada
e você nem sabe que eu existo.

Você não sabe, mas é assim.
Ignorada, não desisto
na tua próxima temporada de novo escondida no escuro
gritando, aplaudindo, encantada
vou esquecer completamente
que você nem liga pra mim.
.
.
.
.