Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Boia-louca - por Leo Santos

Vi o amor em dois poemas
Em outros mil, ele oculto;
Ora uma criança apenas,
outra sóbrio e grave adulto.

Vãs as tentativas de sistematizá-lo,
ordenando o conteúdo e a forma;
Um milhão de alfabetos não bastaria,
idiossincrasia é a norma.

Cada palato prova o sabor,
a despeito da versão alheia;
Enquadra e fotografa o amor,
Com o filme que pulsa nas veias.

Risca na pauta nota e pausa,
De uma canção triste, intermitente;
Sintomas que apontam a causa,
cuja dor, só conhece o paciente.

No estranho domínio do dominado,
o carcereiro preso ao labor;
Boia-louca mercê do peixe,
peixe fisgado, mercê do pescador.
.
.
.
Visitem Leo Santos
.

Ouvi de um Esquizofrênico - por Alba Vieira

.
“Quanto a mim? Sei lá...
No meu íntimo: graças a Deus!”
.
.
.
Visitem Alba Vieira.............
.

Festa na Floresta - por Leila Dohoczki

Vamos fazer uma festa?
Falou a zebra empolgada
Em seu pijama listrado
Chamando a atenção da bicharada.

Foi aquele alvoroço.
A hiena ria sem parar
Um falando com o outro,
Todos juntos a tagarelar

Silêncio! Gritou a aliá.
Eu também quero falar...
Na festa tem que ter muita comida
Dançar gasta bastante energia
Quero o meu corpinho conservar.

O hipopótamo, também grandinho, fez questão de concordar
Diz que se todos colaborarem um pouquinho,
comida não vai faltar.

O macaco que não tem parada
Sugere que seja sábado, à noitinha
Na cachoeira de prata,
Diz, coçando a barriguinha.
E quem concorda comigo,
Bate aqui e dá uma rodadinha.

Viva!
Que emoção!
Bateram todos em sua mão.

O bicho preguiça
lento como ele só
sorriu bem sonolento
- Vou de carona com o hipopó...
Caiu no sono de novo
Nem terminar o que dizia deu tempo,
Ai que dó.

Assim, cada um com seu talento
Todos faziam o que sabiam
Fizeram tudo a contento.

Ter uma festa bem linda
É o que eles mais queriam.

E no dia da festa então
Vaga-lumes na iluminação
Cigarras e grilos no Rap
pra garantir a animação.

O macaco dançarino
com seus passos de dança engraçados
Fez sorrir o leão
que estava ali, meio parado.

Até os peixes do lago
Que desciam cachoeira abaixo
Iam logo à margem, pensando:
Que festão animado!

E pularam e cantaram
Por toda a madrugada.

A festa foi até o galo cantar
Depois foram pra casa
Era hora de descansar.

É assim lá na floresta.
Tudo e todos vivem em paz
Existe nesse mundo
Razão melhor pra comemorar?

É por isso que a noite na floresta
Tem tantos barulhos misturados.
De dia os bichos, estão todos cansados
Ou estão preparando uma outra festa.
.
.
.