Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




sexta-feira, 3 de abril de 2009

As Nossas Palavras IV - por Aaron Caronte Badiz

Levante-se, meu filho,
Sete horas da manhã.
Eu já chamei nove vezes...
Vai cair mosca no milho!
Às oito já é amanhã!
Levante-se! Chamei dez vezes!
Sete horas passou faz tempo!
Se cair no sono de novo, só chamo daqui a oito meses.
.

As Nossas Palavras IV - por Alba Vieira

.
Depois de cair por sete vezes, levante-se bem rápido para a queda número oito. É a lei dos teimosos.



Visitem Alba Vieira
.

As Nossas Palavras IV - por Lélia

.
Levante-se sempre que cair, todas as vezes, sem exceção: sete, oito, até mil.
.
.

Estou Lendo... - por Alba Vieira

Criando Prosperidade: a consciência da fartura no campo de todas as possibilidades - Deepak Chopra


E você? Que livro está lendo no momento?
.

Stephen King - por Escrevinhadora

Do Stephen King li quase tudo. Às vezes ele exagera, mas na maior parte do tempo o clima de mistério e terror é envolvente. Adoro.



Resposta a “A Tempestade do Século”, de Ana.
.
.
.
E você? Que autor você adora?
.

Estou Lendo... - por Kbçapoeta

O Opositor - Luis Fernando Veríssimo



“Sua irreverência já conhecida em um texto leve agradável e bem humorado.”
.
.
.

E você? Que livro está lendo?
.

Obras - por Leo Santos

A República - Platão
Assim Falou Zaratustra - Friedrich Nietzsche
Confissões - Santo Agostinho
Discurso sobre o Método - René Descartes
Elogio da Loucura - Erasmo de Roterdã
Górgias - Platão
O Banquete - Platão
O Mundo de Sofia - Jostein Gaarder
O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry
Terra dos Homens - Antoine de Saint-Exupéry



“Livros que li e gostei
me recordo um montão:
Górgias, A República e O Banquete
só pra falar de Platão

Assunto sério com bom humor
um achado encerrou a procura,
Erasmo de Roterdã
e o impagável, Elogio da Loucura

Humor com espírito, aliás,
fina ironia, a mais pura;
mas em Espírito nada se compara,
às Sagradas Escrituras

Schopenhauer e o livre-arbírtio
Agostinho e a confissão do humano
Pré-socráticos, Sophia in vitro
e o cogito Cartesiano

Saint-Exupéry foi partícipe
saciando, de prosa, minha fome,
primeiro, O Pequeno Príncipe,
depois, a Terra dos Homens

Agora, Jostein Gaarder
legou aula de sabedoria,
convencendo sem alarde,
sobre O Mundo de Sofia

Achei Maquiavel, maquiavélico,
Nietzsche, louco, iracundo;
afinal, a “superraça” hiperbórea
cobriu de sangue o mundo

De Machado gostei também
Veríssimo, Alencar, Macedo;
Jorge Amado, Josué Guimarães,
e claro, Aluísio Azevedo

Quintana, Pessoa, Augusto,
dos anjos herdei poemas
grandes almas que sabem,
valorar coisas pequenas

De outros tantos gostei
apenas, não lembro agora
influências que marcam, eu sei
e vê melhor, quem vê de fora...”
.
.
. Arthur Schopenhauer, Nicolau Maquiavel, Machado de Assis, Érico Veríssimo, José de Alencar,
E você? Que livros quer deixar aqui?
Joaquim Manuel de Macedo, Mário Quintana, Fernando Pessoa, Augusto dos Anjos

Recado - por Alba Vieira

Rita, não fique acanhada,
Pode vir duelar também.
Eu resolvi entrar nessa
Pra brincar de ir além.
Além dos parcos recursos
no uso das palavrinhas.
Nem ligo, vou só escrevendo
E aguentando as picuinhas.


Resposta a “Abusada”, de Rita.
.

Porque Corro - por Escrevinhadora

Corro porque gosto
pra não ver ninguém na minha frente
pra me sentir inteira e viva
o sangue, os músculos, os ossos
corro pra vencer a distância
e sentir o vento batendo em meu rosto
corro porque posso
porque quero ser diferente,
corro pra não ouvir meus pensamentos
corro porque os parques, as pistas, as ruas
me convidam a correr
pouco me importam os aplausos, as medalhas, as glórias
nem mesmo me importa saber se vou conseguir chegar
eu corro porque me dá prazer.
.
.
.
Inspirado em "Corrida", de vestivermelho.
.

Duelando Manchetes I: Aborto - por José Ivo

.
ABORTO (DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS)


ABORTO, é matar um bébé.
Se alguém tem outra interpretação, ou é ignorante, ou é hipócrita!!!
Não há meia posição na corda bamba.
.
EXTRACTO DA PROPOSTA DO PS
NOTÍCIAS
Proposta de despenalização do aborto do PS é equilibrada e sensata
A proposta do PS de despenalização do aborto até às dez semanas é “razoável, sensata e equilibrada”, e visa “tirar Portugal do lote dos países mais atrasados nesta matéria”, afirmou no dia 17 o primeiro-ministro, José Sócrates, na sessão de encerramento de uma conferência internacional sobre “A saúde sexual e reprodutiva da mulher”, promovida pelo Grupo Socialista Europeu, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
Na sua intervenção, José Sócrates sublinhou que o PS ao propor o referendo sobre a despenalização da IVG, que considerou “o assunto mais importante da nossa agenda política”, está a “cumprir o que prometeu aos portugueses”.
Para o primeiro-ministro, o que está em causa no referendo é apenas isto: “As mulheres que praticarem aborto até às dez semanas em estabelecimento de saúde autorizado devem ou não ir para a prisão?” E acrescentou que a solução preconizada pelo PS “representa um equilíbrio entre as convicções individuais e a liberdade”.
Sócrates sublinhou que a proposta socialista tem como objectivos “responder a dois problemas fundamentais”: pôr termo à perseguição e prisão das mulheres e combater o aborto clandestino.
Na sua intervenção, José Sócrates voltou a classificar de “hipocrisia e oportunismo político” a postura daqueles que afirmam ser contra a pena de prisão das mulheres, mas entendem ao mesmo tempo que a lei do aborto deve ficar na mesma.
Por outro lado, o primeiro-ministro referiu que o Governo tem “um programa exigente” relativamente ao tema da igualdade de género, salientando que a Lei da Paridade constituiu “o passo mais importante para a igualdade entre homens e mulheres depois da Constituição”, contribuindo “para o aumento da participação das mulheres na vida pública”.
José Sócrates realçou ainda o facto de o novo Código Penal autonomizar como crime a violência doméstica, protegendo assim “os elementos mais desprotegidos da família, como as crianças, idosos e mulheres”, e incluir também a criminalização do tráfico de seres humanos.
J. C. C. B.

Mesmo que um Governo queira ignorar completamente as leis divinas:
DEUS DISSE - NÃO MATARÁS
Como se justificam ao legalizarem o aborto, portanto sem penalização para quem o faz (médico), ou para quem se sujeita a fazê-lo (grávida)???
Se um cidadão mata outro, é um criminoso, julgado e preso!!!
Se uma grávida faz ABORTO, consentindo em matar o bébé, não é criminosa.
Em que ficamos??? Uns são criminosos, outros não são!!!
DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS
Analizando a teoria do Sr. José Sócrates, Primeiro Ministro de Portugal no artigo acima, temos:
1) TIRAR PORTUGAL DO LOTE DOS PAÍSES MAIS ATRASADOS...
Um “LEADER”, não segue ninguém, principalmente em coisas anti-civilizadas. Poderá sim seguir coisas boas e evoluidas, para bem do povo.
2) ABORTO ATÉ ÀS 10 SEMANAS, É AUTORIZADO E NÃO HÁ PRISÃO
E afirma ele, que é um equilibrio entre as convicções individuais e a liberdade.
3) CLASSIFICA DE HIPOCRISIA E OPORTUNISMO POLÍTICO OS QUE NÃO APOIAM A PENA DE PRISÃO ÀS MULHERES, E QUE A LEI DEVE FICAR INALTERÁVEL.
Isto é muito confuso, e é preciso algum tempo para digerir o significado.
Os que não querem alteração da lei, têm que respeitar a lei e sujeitar-se às consequências se não o fizerem, sem excepções.
Não vejo onde está a HIPOCRISIA E O OPORTUNISMO POLÍTICO.
UMA IMAGEM VALE MIL PALAVRAS
Convido todos os leitores, e todas as senhoras que considerem a alternativa do ABORTO, a verem as fotos publicadas na Internet, nos seguintes sites, e sem mais comentários:
http://www.cidadaospelavida.org.br/aborto.htm
http://www.pfltv.com/imag/
http://www.priestsforlife.org/resources/abortionimages/10week/10_05.jpg
http://inthebeginninggod.jesuschristdisciples.org/apics.htm
http://abortionno.org/Resources/pictures_2.html


************************************************


ABORTO É CRIME

QUE DEUS OS PERDOE PORQUE NÃO SABEM O QUE FAZEM
.

Vingança da Pena - por Kbçapoeta

Nunca esperava encontrar algo,
Justo no momento
Em que tudo estava perdido.
Não estava mais na ativa,
Sentia-me um poeta de nada.
A pena resoluta em seu silêncio,
Nunca mais sorriu.
Forçá-la era esforço em vão.
Conformei-me com tal situação,
Pois, o que um não quer,
Dois nunca farão.
Mas eis que por coincidência,
Ela resolve abandonar seu silêncio,
Sair de sua inércia,
E dançar pelo salão da pauta
Em uma brochura tão clara,
Quanto o plenilúnio de março.
Dançava como uma deusa
E disse-me ao pé do ouvido:
Coisa mais certa nessa vida,
É o acaso.
.
.
.

Visitem Kbçapoeta
.

Refletindo no Mar - por Rosana PoderRosa

Vou
Vou indo pelo mar afora
Deixando o barco à vela
Me levar pelas suaves ondas
Onde o coração acompanha
O sobe e desce do olhar no horizonte
Vou
Vou indo sem destino
Cruzando os desertos marinhos
Sentindo todo o sol refletindo
A pele queimando e ardendo
Mas, somente vivo o pensamento
Registrando cada minuto de espera
Aguardando o momento certo
A calmaria está a postos
O tempo passou
O sol já se vai indo
A primeira estrela aponta
Me lembrando o primeiro carinho
Como é bom navegar por este mar
Viver nele a balançar
Mesmo que seja de mentirinha
Apenas pra eu me alegrar
Mar azul ou talvez verde
Cheio de mistérios e arapucas
Companheiro de muitas horas
Nunca me deixou sem respostas
Sempre me ajudou a refletir
Mas, é hora de voltar
A noite cai…
O vento forte me leva de volta
Eu me despeço do meu amigo
Na certeza que iremos nos reencontrar
Mesmo que seja na minha imaginação…
.
.
.
.

O Salva-vidas II - por Thiago Benício

“(...) Estávamos em oito carros descendo a serra, rumo à baixada para aquele fim de semana de sol. Em todos os carros havia uma família. Nós combinamos que seria o fim de semana mais inesquecível de nossas vidas e que nada poderia nos atrapalhar. Essa afirmação foi errônea...

A Imigrantes estava vazia e os oito carros enfileirados a curtir tal paisagem serrana. Comunicávamos ao telefone quando havia necessidade de parar ou coisa assim. O dia ensolarado contribuía para a harmonia que sentíamos até então... Após o último túnel - aquele longo, de, no mínimo, 3 km - o tempo já se mostrava cinza. O vento frio e serra pouco visível, parecendo mostrar um tom de desconforto, a ponto de desorientar nossa harmonia, sentida antes de tais fatores. Parecia ser um sinal...

Eis que, olhando para trás, minha mulher não enxerga o último carro - éramos o sétimo.

- Bem, o carro de trás não está aqui!! - Acentuou minha esposa ao fato. Estávamos tão próximos há pouco, e naquele momento o último carro havia parado.

O telefone toca, eu atendo:
- Alô!
- Alô!
- Oi! Vocês pararam?!
- Estamos sendo assaltados por uma leva de motoqueiros mal-encarados. Parece que são durões. Pelo amor de Deus, nos ajude!

Comuniquei no exato momento todos os outros amigos dos carros da frente. Era o momento de ajudar um amigo em perigo!
Logo saí em cavalo-de-pau e todos os outros fizeram o mesmo. Era o primeiro da frota dos carros-amigos, como um líder de batalha, que guia seus soldados para derrotar os inimigos. Ao retornar, nos deparamos com a situação: cinco motos, cada uma com duas pessoas, a rodear o carro-amigo número 8. Estacionei meu carro e todos os outros fizeram o mesmo, Desci e, juntamente com meus amigos, partimos em busca de justiça e salvar o carro número 8, que estava em apuros. Cada um, com sua habilidade, rendeu facilmente cada um dos malfeitores. Nosso amigo, do carro número 3, era delegado e guardava algumas algemas em seu porta-malas. Sim, foi o que fizemos, algemamos os bad-moto-boys no guardirreio e chamamos as viaturas locais para colocar um basta nos cafajestes! E como num passe de mágica, o céu se abriu, mostrando o Sol radiante, como deveria ser. Até a natureza reconheceu a justiça feita...”
.
.
.