Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Se Mata - por Fatinha

Querido Brógui:

Outro dia, na seção de cartas do leitor do jornal, um cara auto-denominado de lacto-ovo-vegetariano, reclamava porque foi no Outback, pediu uma pasta com frango – sem o frango – e o prato veio com cheiro de frango.
Há várias perguntas que não querem calar. Nem vou começar a falar o quão chato é uma pessoa com restrições a determinados alimentos. Marise vai comer meu fígado. Não, não vai não. Ele não come nada que vem de bichinho morto, mesmo que o bichinho morto seja eu e ela o tenha matado com suas próprias mãos.
A primeira delas é: o que diabos um lacto-ovo-vegetariano foi fazer num restaurante que tem o nome de Outback STEAK HOUSE? No meu inglês macarrônico, entendo que uma steak house serve steak, ou seja: carne. A única resposta que me vem é que o cara não sabia inglês, e, nesse caso, estaria coberto de razão. Foi enganado por essa mania tupiniquim de colocar tudo em inglês, num país onde o povo mal sabe ler em português. Boa explicação? Não. Não convenci nem a mim mesma. Se o cara não sabia o que era uma steak house, no minuto em que pegou o cardápio, poderia ter descoberto o seu equívoco e se retirado do recinto com o rabinho entre as pernas, ou, no máximo, indignado porque o nome do restaurante era em inglês.
Bem, ele não percebeu seu equívoco, ou percebeu e ficou com vergonha de se levantar da mesa e sair, ou então encarnou um espírito de porco – ops! porco não pode, é bicho – e resolver tirar uma onda com o cozinheiro pedindo macarrão com frango sem o frango. Anta! O cara se dispôs a pagar os olhos da cara – ô comidinha cara, a desse lugar – por um prato cujo ingrediente principal ele mandou tirar. Devia ter ficado em casa e, em meros três minutos, cozinhado um miojo. Mais barato e bem menos constrangedor.
Daí, veio o macarrão do cara. Ele comeu aquela merda sem molho algum e, para provar que veio ao mundo para encher o saco dos outros, reclamou que sentiu cheiro de frango no final. Além de burro, espírito de alface, não tem olfato, pois comeu tudinho e só sentiu o cheiro quando já estava lambendo o prato. Será que o cozinheiro, só de maldade, montou o prato dele num que já estava sujinho com os restos do frango de outrem? Não creio. Talvez eu fizesse isso naqueles meus dias de Mae West, ou o cara do botequim em que eu almoço, mas não quem trabalha num estabelecimento desse porte. Acho que o Mala queria mesmo era se eximir do pagamento da refeição.
Então, vamos combinar assim: quer comer pizza? Pizzaria. Quer comer carne? Churrascaria. Quer comer peixe cru? Japa. Se não come nada de origem animal, vegetais só se forem orgânicos e água mineral só se ela vier direto da fonte, se mata.
.
.
.Postado, originalmente, em 25/09/2008.
.
.
.Visitem Fatinha
.
.

Hermógenes, a Ignorância e a Sabedoria - Citado por Alba Vieira

.
Dois ignorantes se encontram e não tardam em se agredir.
Dois sábios se encontram e logo se abraçam.
.
.

João Bosco e Aldir Blanc: “Agnus Sei” - por Ana

 
Faces sob o sol, os olhos na cruz.
Os heróis do bem prosseguem na brisa da manhã.
Vão levar ao reino dos minaretes
A paz na ponta dos arietes,
A conversão para os infiéis.

Para trás ficou a marca da cruz,
Na fumaça negra vinda na brisa da manhã.
Ah, como é difícil tornar-se herói.
Só quem tentou sabe como dói
Vencer Satã só com orações.

Anda, que Deus tudo vê.
Anda, que Deus tudo vê.
Anda, ora, manda, mata.
Responderei: Não!

Dominus, domínio, juros além.
Todos esses anos agnus sei que sou também,
Mas, ovelha negra, me desgarrei,
O meu pastor não sabe que eu sei
Da arma oculta na sua mão.

Meu profano amor eu prefiro assim:
A nudez sem véus diante da Santa Inquisição.
Ah, o tribunal não recordará
Dos fugitivos de Shangri-lah...
O tempo vence toda a ilusão.
.
.
.
.

Casa de Passarinho - por Leila Dohoczki

Que coisa mais perfeita
É um ninho de passarinho
Aconchega pequenas vidinhas
Entre palha e pequenos gravetos.

Quanto carinho tem num ninho
Construído com tento esmero
Sem ter nele depositado
Nenhum sentimento efêmero.

É só abrigo
É só proteção
Não há disputa
Pela melhor construção

E quando saem dos ovos os passarinhos
Seja qual for a espécie
Têm lá uma casinha
Onde a mamãe os aquece.

O ninho de passarinho é perfeito
Porque são perfeitas as razões
Que conduziram à sua construção
Eles são feitos só para abrigar
Os pequenos desprotegidos
Enquanto não sabem voar.

O ninho do passarinho
É só uma porta para o mundo,
A imensidão do céu
É que é o seu lar!
.
.
.