Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Haikai - por Marília Abduani

.
Inspire
Respire
Não pire.
.
.
.
..................
Visitem Marília Abduani
.

Escrevendo Bobagens - por Alba Vieira

.
A idiotice manifesta é o único recurso que nos resta quando a habilidade nunca existiu ou o talento para escrever abandona a gente por longo tempo.
.
.
.Visitem Alba Vieira
.
.

Destino e Acaso - por Ana

Gio:
Acredito que, na vida, sobre algumas coisas temos ingerência, sobre outras não; às vezes podemos prever, às vezes, somos pegos de surpresa; uns acontecimentos são destinos, outros, acaso. Mas dentro de cada uma destas coisas, temos possibilidade de escolher. E isto eu acho o mais importante e especial.
Também acho que, mesmo para aquelas pessoas que mantêm a vida sob controle, não existe a segurança da imutabilidade.
.
.
.
Resposta a Caminhos, de Gio.
.

Doente... - por Flavio Braga

- Senhor Flavio, tenho boas notícias.
- O que houve, doutor, vocês mudaram meu sexo?
- Quê?
- Desculpa, doutor, estou brincando. Acho que esses remédios estão me deixando meio chapado. A propósito, meu amigo Ringo te mandou um alô.
- Quem é Ringo?
- Você não conhece, é meu amigo invisível. Ele é um elefante rosa botafoguense que se comunica comigo falando javanês.
- Estou espantado.
- Com o quê, doutor? Com minha fluência em javanês ou por eu ser amigo de um elefante rosa?
- Não, por ele ser botafoguense.
- E anarquista! Elefante rosa botafoguense E anarquista! Acredita? Esse Ringo é mesmo uma figura!
- Sei... Bem, como ia dizendo, tenho boas notícias para o senhor. Como a operação é de rotina e o tempo de recuperação é curto, amanhã você pode voltar para casa e dentro de dois dias você pode voltar ao trabalho.
- Estou decepcionado...
- Por quê?
- Eu pensei que vocês iam me dar um pouco mais de tempo para me recuperar, coisa pouca, tipo uns seis meses.
- Hum... Entendo.
- Sabe como é, preciso de umas férias. Doutor, posso te perguntar uma coisa?
- Claro.
- É uma coisa que vou perguntar e preciso ser forte o suficiente para poder escutar a resposta, que pode acabar com todo o sentido da minha vida. Deixa eu respirar. Preciso ser forte para aguentar a resposta, talvez eu nunca suportei escutar de alguém algo tão sincero, mas preciso que o senhor não minta para mim.
- Tudo bem, diga.
- Doutor, antes de ser mandado para casa, uma enfermeira morena, com quadris fartos e sedenta por sexo selvagem com o primeiro paciente que apareça na sua frente, que por coincidência, sou eu, vai me dar banho?
- Hum... Talvez.
- Legal! Espero não ter exigido muito.
- Não, que é isso! Boa noite, Flavio, volto aqui amanhã de manhã.
- Tudo bem, doutor. Doutor?
- Sim?
- Liga não, é tudo brincadeira. Serve uma enfermeira loira.
.
.
.
Visitem Flavio Braga
.

Ciúme - por Leila Dohoczki

A faca cravada
Fincada na carne
Do corpo inerte
Que verte o sangue
Que de vermelho tinge
A mão que antes
Acariciava a pele
Com ternura e leve
Num instante breve
Pôs fim a vida
O ciúme finda
A loucura, a vida
E a lágrima caída
No último instante de dor
Na face do medo
Nos olhos fechados
Futuro que a faca ceifou.

Na honra do homem
A marca negra da morte.

Dor e arrependimento
E o mesmo instrumento
Corta-lhe os pulsos
E a vida se esvai...

Aconchegado no frio corpo
Vai morrendo aos poucos
Despedindo-se da amada
Em sangue banhada
Última visão registrada
Quando seus olhos cerrou.

Não há mais honra,
Nem glória em possuir
Não há mais juras, nem loucuras
Não há mais dois
Não há nenhum.
Onde antes eram um.

O que há é a faca
Jogada entre corpos que já se amaram...
.
.
.