Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




sexta-feira, 29 de maio de 2015

O solitário não está só - por- Kbçapoeta



Uma multidão segue sua causa
Queixam-se da mágoa e do abandono.
Ecos em vão.
Todos os solitários
Ocupados em ser só.
Não viram o rosto para o lado.
Presos,algemados
Com a solidão
Que guardam e cultivam
Como flores raras.
Todos os solitários lado a lado,
Sem perceber
Que a solidão
É questão de querer.
Querer a intensa companhia
Da solidão



Visitem Kbçapoeta





quarta-feira, 27 de maio de 2015

Novidade original



               O espaço está repleto. Repleto da angústia de não ter pra onde olhar. E tudo gira depressa. Foscas imagens brilham macabras. Um violento calor brande em chamas dentro dos cérebros convulsos. O vento quente assola as paisagens. Paisagens urbanas e mortas.

                No entanto, aquele pescoço desesperado acerta uma direção. E os olhos lacrimejantes, de tão cansados, topam com algo surpreendente e incompreensível. Ainda assim, bela visão! Tudo então se concentra naquele ponto. Até o vento parou.

                Era uma flor que brotava do concreto cinza.



[Adhemar - São Paulo, janeiro/1983]

sábado, 23 de maio de 2015

Epitáfio

Não me olhem e digam: 
- era tão novo e acabou assim 
                                      [é assim que tudo acaba.
Não pensem: poxa, se não tivesse feito aquilo... talvez...
- o “se” não redime a carne, 
                                      [não a salva dos vermes.
Não declamem louvores a Deus por sobre minha carcaça: 
era sua hora...
                                      [não, não era.
Acima de tudo, não afirmem categoricamente: era um menino tão bom...
                                      [nunca somos.
Pobre morte, cercada pela comédia humana
                                      [ à direita o medo, à esquerda a hipocrisia


Fênix_K!

...

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Soneto da pedra bonita




Amo-te tanto que prefiro ter
A solidão de um penar no deserto
Do que sofrer por um amor incerto
Dor no peito que não posso conter

Quero-te tanto que não sei deter
Minha vontade de lhe ter por perto
No coração desejo tal aperto
Na minha vida poder-te reter

Porém a chance não seja possível
Pois meu retorno tenha sido lento
E minha felicidade perdida

Acredito sempre no impossível
O seu calor,meu verão um alento
no meu vagar em amar sem medida





  Visitem Kbçapoeta





sexta-feira, 15 de maio de 2015

Soneto da Phoenix

Ave Fênix, destrói os receios, queima a dor,
Trai a verdade. Risca o infinito azul.
Extrema, porém calma, põe a vida a dispor.
Devora a morte, não tem norte, não tem sul.
Ave, Fênix! Prosterno-me a seu louvor.
Sob suas garras, eleva cá meu corpo nu.
Desensina a fugir, me mostra toda cor,
Revolve minha carne e devora a cru.

Haver, Fênix, composto sua e minh’alma.
Nas veias, há de pulsar nosso sangue unido,
Adubando com cinzas o amanhecer.

Ah, Fênix, vi meu medo abatido em amálgama
À sua esperança. Vi ao longe: eu ungido 
Em fogo. Morto, sempre; eterno renascer.


Fênix_K!

...

O Pracista









Belo plenilúnio esbanja o seu branco

O manto que clareia os bairros cansados

Misturava-se ao breu que colori o anil

Miríade sobre tons azulados

Paisagem diversa do meu Brasil

Sob olhares de um mendigo em seu banco



                                                                      Visitem Kbçapoeta





terça-feira, 12 de maio de 2015

LUPA

Encontrei mais perto
passo a passo
olhar fixado no chão
na trilha
rastro ou pegada não
sintoma, pressentimento
fantasma, forma difusa
torpor do esquecimento
confusa

Indícios, migalhas
iscas de ilusão
condecorações, medalhas
virtude é condenação
seriedade que espalha
fraquezas, franquias
prejuízos e perdição
meneios e manias
confusão

Encontrei mais perto
infinita distância
o impossível e o não


[Adhemar - Santo André, 28/08/2014]

sábado, 9 de maio de 2015

A Papoula e o Bebê

A cor (a)trai
os olhos
vermelho provocador

no veludo
o toque
destrói pétalas

o bebê
tem a flor
na mão (e ri)

nariz de pinóquio
não descobriu
espinhos ainda

 
 

Fênix_K!


...

sexta-feira, 8 de maio de 2015

A NOVA INTEMPÉRIE





Abandono algumas vezes se faz necessário

Nunca se está preparado para tal

Indubitavelmente acontece inesperadamente

Como tormenta em alto mar assolando a pequena embarcação

Estático, resoluto, suportamos calados

Longo, penoso e insuportável cenário para alguns

Mares revoltosos que se enfrenta

Arte da sobrevivência das grandes cidades



                                                                                           Visitem Kbçapoeta




sexta-feira, 1 de maio de 2015

Ocaso de um quinteto livre



Um céu de quatro tons

Cinza, branco, róseo e azulado.

Garras que possuem olhos,

Ventos e bocas que anunciam o breu.

O véu da noite.



                                                                                                       Visitem Kbçapoeta