Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Dilema - por Marília Abduani

Como fica um coração maduro
de abrir portas e varar os muros,
e bater, ainda assim, acelerado?
Coração que se enternece com a poesia
e rompe a morte, desabrocha o dia,
e ainda pulsa infantil, tão compassado.

Como fica um coração dormente
entre tantas tempestades e correntes,
que prendem, tocam, ferem, sem pudor?
e que sonhos através dos descaminhos,
mas na alma sempre o eterno passarinho,
nosso íntimo e eterno salva (dor).

Como fica um coração remanescente
olhar de vidro, puro, transparente,
tão palpável, tão sensível, tão feroz?
Mãos de ferro pra vencer a morte.
Mãos de Deus, para vencer a morte.
Mãos de bênçãos sobre todos nós.

Como fica um coração carente
entre pedras e sereias e serpentes,
tão poeta, tão perene sonhador?
Simplesmente fica. E tão somente espera,
inda ver brotar do inverno a primavera
florescendo a mansidão de todo amor.
.
.
.
...........................Visitem Marília Abduani
.

Desperdício de Energia - por Alba Vieira

Hoje, ao passar por várias academias de ginástica, me ocorreu que o que acontece ali é uma tremenda perda de energia e um comportamento antiecológico generalizado. E, pensando em termos da nova realidade planetária, é um contrassenso tanta gente passar tantas horas queimando energia sem produzir outra coisa que não suor.
Não que eu seja contra exercícios físicos, muito pelo contrário. Mas é que todo o esforço que é feito nesses locais, que faz tanto bem à saúde, bem que podia de quebra trazer benefício a outras pessoas também.
Ao pensar dessa forma, imediatamente me pus a delirar. Imaginei como seria interessante que as pessoas que malham depois do horário de trabalho, fizessem esta atividade, por exemplo, numa frente de trabalho voluntário na construção civil. No fim de algum tempo, elas teriam o imenso prazer de ver antigos desabrigados ocupando moradias construídas com sua participação. Outras, queimariam calorias à beira de um fogão numa cozinha onde seriam preparadas refeições comunitárias. Quem gostasse de se exercitar ao ar livre poderia correr atrás de pimpolhos numa creche para filhos de mães que precisam trabalhar e não têm com quem deixar os filhos. E as caminhadas poderiam ser feitas todas as manhãs, acompanhando pessoas da terceira idade que estão jogadas em asilos e passam semanas inteiras sem interagir com ninguém. Parece bem simples, mas sei que é difícil acontecer.
É que nós estamos cada vez mais obsessivos e essas opções são formas mais criativas de usar a energia.
Então, eu temo que continuarei a passar por salas envidraçadas cheia de gente solitária com fones de ouvido, correndo atrás de nada ou não sei do quê, fazendo movimentos repetitivos, sem um mínimo de consciência corporal, aguardando talvez um momento de azaração pra quebrar uma rotina insípida e vazia.
.
.
.
Visitem Alba Vieira
.

Pensando... - por Maurício Limeira

O cada um que de um jeito pensa,
ou pensa que pensa,
caotiza o cenário onde você,
mal localizado,
certifica-se de não estar onde deveria.

Eles se entendem,
você desconfia.
.
.
..........Visitem Maurício Limeira
.
.

Augusto dos Anjos e “A Máscara” - Citado por Penélope Charmosa

Eu se que há muito pranto na existência,
Dores que ferem corações de pedra,
E onde a vida borbulha e o sangue medra,
Aí existe a mágoa em sua essência.

No delírio, porém, da febre ardente
Da ventura fugaz e transitória
O peito rompe a capa tormentória
Para sorrindo palpitar contente.

Assim a turba inconsciente passa,
Muitos que esgotam do prazer a taça
Sentem no peito a dor indefinida.

E entre a mágoa que a másc’ra eterna apouca
A Humanidade ri-se e ri-se louca
No carnaval intérmino da vida.
.

Mate - por Poty

Partilha esse chimarrão comigo?...
..Todo!
..Até o fim
..A última gota
..O último roncado
..A última chupada
E vamos papeando
Passando de mão e mão
..O mate amargo que faz bem
..A roda tá feita para o chimarrão circular...
.
.
.
.......................Visitem Poty
.
.

Isso Nunca Para - por Priscila Conrado

Me sinto sozinha
Abandonada completamente
Essa história é só minha
Com um passado ainda permanente

Desse passado não pude participar
Inconsequente foi e meu futuro desgraçado
Minha vida, conseguiu dissipar
Sou seu pedaço afastado

Dá arrepio só de pensar
Que talvez você não me queira
E que até tentou me matar
Essa ideia, a loucura beira.
.

Vírgula - por Thiago de Sá

.......Na paixão que vivemos nos encontramos com vírgulas que nos separam daquilo que desejamos. O sujeito acaba sendo separado do predicado. O que se pode fazer acaba sendo deixado pra depois, e talvez o depois não aconteça. O coração vira uma profunda reticência, na esperança de que algo mais... algo de bom retorne. Que o momento de antes seja vivido como o segundo anterior. Medos nascem e nos calam diante das vozes que nos rodeiam, e beijamos o desejo de nada fazer. O ciúme é a pausa que damos no dia a dia da paixão, às vezes é cômico, mas acontece com frequência. Faz de nós meros passageiros na nossa própria relação.
.......O sentimento de desconforto que brota em nós, nos leva para um lugar onde ninguém pode nos achar. Ficamos longe de todos os radares do sentimento alheio. Entramos em um baile de máscaras, escondendo a verdade e tentando de forma tímida apresentá-la. Em um piscar de olhos tudo se transforma e ficamos juntos novamente. Com um sorriso você muda tudo que eu pensava e me acolhe em seus braços.
.
.
.
Visitem Thiago de Sá
.