Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

COMO POSTAR COMENTÁRIOS AQUI

.
QUERIDOS AMIGOS,
PARA POSTAR COMENTÁRIOS AQUI FAÇAM O SEGUINTE:

ESCREVAM A MENSAGEM NA CAIXA DE COMENTÁRIO,
PARA A IDENTIFICAÇÃO (“COMENTAR COMO”)
ESCOLHAM A OPÇÃO "NOME/URL",
ABRIRÁ A CAIXA PARA ESCREVER O NOME E URL
(BASTA PREENCHER O NOME, NÃO PRECISA URL),
FECHEM A CAIXA E CLIQUEM EM "POSTAR COMENTÁRIO".
.
QUEM PREFERIR, PODE ENVIAR OS TEXTOS PARA:
shintoni@terra.com.br
.
.
AGRADEÇO A TODOS QUE NOS ACOMPANHAM,
CONVIDO TODOS VOCÊS A CONTINUAREM CONOSCO
E DEIXO UM ENORME ABRAÇO PARA TODA A GALERA!
.
.

Amor - por Raquel Aiuendi

O meu amor
É educado
Pra ser amor
Trancado
E não ser traído:
Nele mesmo
Um amor
Traidor.
.

A Pêra do Paraíso - por Paulo Chinelate

Interessante como as nossas lembranças afloram ao sabor de um pormenor qualquer.
Ao entrar ontem no supermercado, como bom hábito mineiro, dirigi-me à banca de frutas e verduras. Deparei-me com uma raridade: “pêra da terra”, redondinha, crespa e bem rígida. Não resistindo, selecionei seis das mais graúdas enquanto divagava no tempo. Reportei-me à infância; possivelmente entre oito e nove anos, 1956 talvez. Tinha já feito a primeira comunhão na velha Igreja de São José do Botanágua em Juiz de Fora e nestas condições era distinguido em continuar as aulas de catecismo no Seminário dos Padres Jesuítas na Avenida Rio Branco, às margens do córrego do Ypiranga (hoje Av. Independência), local agora ocupado por condomínios assassinos de um passado gostoso, saudoso.
Voltemos ao causo. D. Ana Reis, velha beata, se encarregava de recolher-nos aos sábados à tarde pelas bandas do Bairro Costa Carvalho e conduzir-nos ao seminário em apreço.
O padre Tomas Enríquez, que nos atendia, era um homem circunspecto, tinha sido prisioneiro em cárcere comunista chinês onde sofrera torturas - escrevera o livro de suas memórias: “Três Cárceres Comunistas”. Pois bem. O nosso professor dava-nos a aula costumeira e em seguida um intervalo para o gostoso futebol regados a um acesso às fruterias que rodeavam o campo. Voltávamos depois para sermos ouvidos em confissão. Eu pensava que o esporte servia para chocalhar os pecados e, parcialmente desgrudados, fossem despejados nos ouvidos cansados do velho prelado.
Naquele sábado não fora diferente; antes que nos liberasse à farra deu-nos simples recado: podíamos saciar nossos estômagos famintos com os sapotis, jambos brancos e roxos, pitangas e mangas e tantas outras frutas. Estava proibido, no entanto, colher e concomitante usufruto das pêras. Nenhuma sequer.
Dado o recado foi-se o nosso reverendo às suas preces vesperais do velho breviário. E nós... bem, aí começa realmente nossa história. Mal o rabino dera as costas, insurgidos por uns alunos mais velhos, a turba avançou nada mais nada menos à única pereira existente no farto fruteiral do lindo sítio. Enquanto um que outro subia na árvore outros recebiam a chuva de pêras. Iam dando conta a cada dentada que elas estavam ainda verdes. Não satisfeitos iam esperimentando uma a uma. O resultado: um tapete de frutas parcialmente mordidas e abandonadas.
Em seguida o óbvio: o padre, ao final do recreio veio nos buscar. Não pôde disfarçar a ira de que foi tomado. Fez-nos recolher em balaio grande todo o estrago feito. Como castigo não receberia ninguém em confissão. Não possuíamos, ainda no fragor da batalha pecaminosa, o predicado necessário: o arrependimento.
O “esbrega” que recebemos da velha senhora Ana, no retorno do imbróglio passeio foi descomunal.
No sábado seguinte, ressabiados, fomos ao encontro novamente das feras. Recordo-me somente de estar ajoelhado no confessionário e o ouvidor sagrado muito zangado comigo. Não conseguia arrancar de mim a confissão do maldito pecado da desobediência da semana anterior, por mais que eu repetisse a ele que eu não fizera parte das travessuras.
Fui o único, mais uma vez, certamente, a voltar para casa sem a absorvição. Ele se negara a ma dar.
E agora no supermercado, creio eu, as pessoas não se deram conta que o riso que eu espelhava no rosto pertencia ao meu viajar longínquo.
Em Tempo: O velho abade deve hoje, na espiritualidade, saber que fui o único, realmente, que não comeu da maçã, digo, da pêra do paraíso.


.

Carta para Meu Pai - por Vicenzo Raphaello

Você se foi sem dizer adeus
deixou para um estranho
dizer
que aqui já não estavas mais

Na súbita partida
ficou em mim
a dor de uma perda
que o tempo não apaga

Ficaram em mim
Lembranças
de imagens do homem
que aos olhos do filho
tudo podia

Você se foi
sem dizer adeus
Foi cedo demais
A mãe se foi
pouco tempo depois

Su e eu mais velhos estamos
meus filhos cresceram
casaram
Tenho uma neta
Sofia filha de Ka
já descasada

Tenho aflições
tenho alegrias
até uma casa
na beira de um lago
eu fiz
E você se foi
aqui não está
para que pudesse comigo
de tudo isso
compartilhar
.

Chuva - por Raquel Aiuendi

Não para chuva
Também não anda nunca
Sempre escorre
.

Li e Gostei

Se você leu um texto e gostou, deixe aqui, em “comentários”, com o nome do autor e do livro, que nós postaremos.
.

Crie um texto sobre este tema e deixe aqui, em “comentários”, que nós postaremos.
.

Gratidão

Crie um texto sobre este tema e deixe aqui, em “comentários”, que nós postaremos.
.