Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Tema do Mês de Setembro: Amores de Minha Vida

.
.
Caríssimos amigos:
.
.
Hoje foram postados os textos referentes ao tema do mês de setembro: “Amores de Minha Vida”,
vencedor da enquete de fevereiro.
.
.
.
Participantes:
.
.
Aaron Caronte Badiz
.
.
.
.
Ana
.
.
Dália Negra
.
.
Lélia
.
.
.
(blog de conteúdo adulto)
.
.
Soraya Rocha
.
.
.
.
.
.
.
.
Muito obrigado a todos que colaboraram com esta “blogagem coletiva”!
.
.
Um grande abraço!
.
.

16 comentários:

S.Ribeiro disse...

difícil cantar algo quando
se está de ossos quebrados
eufemismos não viverão por mim

escondem coisas de minha
juventude mal inspirada
desaprumam sentidos que não
deveriam se fundir
ao desígnio divino

chove chove chove
ele está lá fora aqui
leio florbela espanca

então nada eleito vai
chorar pirraças a um plano
mais alto com certeza
do que nós

e permanecem não nos guardando
como se a luz não ligasse mas
que alguém ligue que gosto
mesmo dos cachorros

não nos guardam

inventam concretos
espinhos mudanças sustentam
coroas com tudo que não
corresponde à pressa com
que o mundo constrói
o desejo de um jovem

não nomeio nem indico
quem porque já o sabem
o céu as pedras as árvores
a cama a loucura

espero como um mato
que não se cansa de nascer

não nos guardam

........................

Texto feito originalmente para o Duelos Literários. Digamos que o "plagiei" para meu blog. Abraços!

Vera Celms disse...

INVENTE OUTRA (ao DIA INTERNACIONAL DA MULHR)

MULHER… não é só um substantivo
Já foi só adjetivo,
Hoje é verbo intransitivo
Não... locução adverbial
Mulher é mais que fazer
Mulher é multi-fazer
É multi-crescer
É multi-ser
Nasce princesa
Afinal, qual a família que não outorga,
titulo de princesa, a suas meninas?
Já então, um postulado ao reino absoluto,
Rainha na mais ampla concepção da palavra
Já foi rainha com e para seu rei
Hoje abraça o reinado solo, mas também gosta de colo...
Não precisa mais do “macho viril” na condução,
Virou pai além de ser mãe, meio a contra mão...
Concebe, gesta, pari, adota, educa, alimenta, custeia,
Mas, acima de tudo, ama muito, ama tudo...
Sem limites nem restrições,
Matéria aprendida em várias lições
Hoje a mulher é verbo bastar
Mulher hoje não tem mais nenhum limite que a restrinja,
Impõe limites que a norteiam
Mulher em dupla ou tripla jornada
Trabalha, e como trabalha!!!
Opera, dirige, responde, xinga, orienta, decide e reza...
Mulher inventa o que não encontra pronto
Mulher tripula, monta, desmonta
Faz e desfaz se preciso for,
Mulher redige, programa, projeta, constrói, demole e negocia,
Dança, canta, faz poesia, chupa cana e assovia...
Troca fraldas com uma mão, enquanto conserta a pia,
Hackeia, acelera, manobra e freia
Chega em casa cansada, mas se confessa apaixonada,
Conserta o interruptor de luz, troca pneu e a cama
Mulher lava, passa, cozinha, se penteia
Mulher briga, discute, defende, ordena e esperneia,
Não aceita ordens vãs, divide prazeres e responsabilidade
Viaja de um país a outro, pra outro mundo, sem sair da cidade
Mulher arruma, organiza, se arruma e se perfuma e brilha,
Como brilha!
Num só olhar diz tudo o que quer dizer, com prazer...
Num só movimento, preside, prescinde, mas não deixa de confrontar,
Agüenta dores, cuida e cura dores, sem reclamar
Tão capaz de amar quanto odiar,
Tão capaz de acarinhar, castigar ou relevar
Se preciso luta, por direitos ou por poder,
Entende que na lei do mais forte, é matar ou morrer...
Capaz de depressões ou revoluções, sem opressões,
Capaz sim de sucumbir, mas muito mais de convalescer ou renascer,
Pra mulher de hoje, é vencer ou vencer...
Mulher, desafio constante, presença importante
De mil a milhão num instante,
Mulher... ame-a ou ame-a...
Ou, invente outra...

Vera Celms
(poesia publicada na coletânea do primeiro Concurso Literário de Poesias do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Jundiaí-SP, em maio/2007) E EM http://veracelms.blogspot.com

Yuri Silva disse...

eu posso?

vocês entendem aquela fria sensação de vazio?
que costuma chegar sem você ver
mas você tem que trabalhar e trabalhar ate fazer o certo
eu quero te tocar de novo
quero voar com você
eu sei que eu errei, quero admitir olhando pra você, e falando o quanto gosto de você
mesmo que seja pela ultima vez, e se for.. realmente eu não sou importante pra você
eu espero.. te pedindo desculpas enquanto você pensa, enquanto passa sua raiva
e enquanto eu me preparo pra sempre dar o melhor de mim e poder te tocar outra vez
poder voar.. contigo!
I can?!

ass; yuri da silva costa

S.Ribeiro disse...

shintoni, é sim para o tema do mês. obrigado e conte comigo. até breve!

Lumena disse...

Olá,

Agradeço ter seguido o blog Amoralya.blogspot.com. Neste momento está inactivo.
Volte novamente para o novo blog: "lumynart.blogspot.com".

Breve voltarei.

Grata.

Abraços,
Lumena

Yuri Silva disse...

O Caminho

foi em uma noite
tenho uma vaga lembrança como se fosse ontem
havia pouca luz e muita chuva
como eu fui tão bobo? e você tão mal?
e pra onde foi toda aquela sua paixão?
nós eramos tão ligados, e acho que ainda somos.. mas depois que te assisti mas ou menos de camarote
eu não tive mais tanta certeza..
eu era tão novo ontem
hojê levo como lição ate porque nada é pra sempre
e eu nunca pensei que seria com você só cheguei pensar que tinha um toque de realidade
agora minha cabeça gira, gira e gira.. mas tanto que não consigo te achar em cada posto que ela estaciona rápito
e tenho na mente agora, o que um velho conheçido disse; a paixão requer respeito, e ela não te deu isso
e eu enchergo agora com luz sua paixão venéfica
antes se eu tivesse uma antropofobia para que minha algofobia não surjisse nunca
porque quando tenho em minhas mãos começo a tremer mais uma vez como se fosse cair no mesmo instante com medo nos olhos e nas mãos
se seguir enfrente
é quando vocêe quer alguem pra desperdiçar toda aquela dor que pareçe ser sem fim
tudo aquilo que ela te causou
pareçe que todos se transformam em nuvens, flutuam e simplesmente somem
na verdade estou de saco cheio disso! de pessoas egocêntricas! e não sei se aguento mais por muito tempo
ficar só na caminhada doi, mas doi mais seguir deixando pra tras cada instante perdido
não preciso mais que esfreguem na minha cara, já esta tudo 4x4 em meus olhos
deixe que o barulho do mar quebre nosso silencio
até porque eu não tenho mais nada pra te dizer hojê..
fatos concretos ou não, não preciso deles, já esta tudo tão perto, é só ligar os fatos reais
e o caminho é longo

por: Yuri da Silva Costa

Yuri Silva disse...

O Caminho

foi em uma noite
tenho uma vaga lembrança como se fosse ontem
havia pouca luz e muita chuva
como eu fui tão bobo? e você tão mal?
e pra onde foi toda aquela sua paixão?
nós eramos tão ligados, e acho que ainda somos.. mas depois que te assisti mas ou menos de camarote
eu não tive mais tanta certeza..
eu era tão novo ontem
hojê levo como lição ate porque nada é pra sempre
e eu nunca pensei que seria com você só cheguei pensar que tinha um toque de realidade
agora minha cabeça gira, gira e gira.. mas tanto que não consigo te achar em cada posto que ela estaciona rápito
e tenho na mente agora, o que um velho conheçido disse; a paixão requer respeito, e ela não te deu isso
e eu enchergo agora com luz sua paixão venéfica
antes se eu tivesse uma antropofobia para que minha algofobia não surjisse nunca
porque quando o tenho em minhas mãos começo a tremer mais uma vez como se fosse cair no mesmo instante com medo nos olhos e nas mãos
de seguir enfrente
é quando você quer alguem pra desperdiçar toda aquela dor que pareçe ser sem fim
tudo aquilo que ela te causou
pareçe que todos se transformam em nuvens, flutuam e simplesmente somem
na verdade estou de saco cheio disso! de pessoas egocêntricas! e não sei se aguento mais por muito tempo
ficar só na caminhada doi, mas doi mais seguir deixando pra tras cada instante perdido
não preciso mais que esfreguem na minha cara, já esta tudo 4x4 em meus olhos
deixe que o barulho do mar quebre nosso silencio
até porque eu não tenho mais nada pra te dizer hojê..
fatos concretos ou não, não preciso deles, já esta tudo tão perto, é só ligar os fatos reais
e o caminho é longo
esta em meus olhos!

por: Yuri da Silva Costa
{ ps:poste esse, este é o certo! }

Vera Celms disse...

CALMO...

Amo a calma do seu amor,
Temperado, ardido, louco,
Dosado
Com a temperatura elevada na medida certa,
Mãos que acariciam,
Sentem, vasculham e exploram
Bem dentro, bem longe, bem em mim,
Alcance perfeito,
Ponto ideal,
Meio termo entre a levitação e a loucura,
Entregue as suas mãos,
ao seu corpo,
no profundo do seu abraço,
visão do paraíso completo,
Escalo o pico do meu prazer,
agarrada como uma alpinista,
medida exata,
Só precisava de mais tempo,
transcenderia varias vezes,
entre o êxtase e o nirvana,
Quero que me queira,
Tanto, tudo, e mais... muito mais...
Movimentos precisos para o deleite,
Soltos como a lembrança,
Como a saudade,
Como o desejo,
Como a necessidade de ficar mais um pouco,
De esquecer do resto,
De relevar a vida além de nós,
Amo a calma do seu amor,
Avisando o momento, num sussurro,
Preparando a flor da minha pele pra receber,
O que o seu corpo tanto guardou,
Tanto preparou,
Quero voltar as suas mãos,
Ter você além do sonho,
Além da miragem,
Além da aragem que passa pela porta,
Que atravessa meus cabelos,
Meu alvo dorso,
Trazendo seu cheiro,
A minha saudade,
Lembrando com gestos,
A medida do seu amor,
Liso, brilhante, majestoso,
Perfeito...
E meu... pela duração de um momento,
Ou de toda a eternidade...

Vera Celms

http://caldadechocolateapimentado.blogspot.com

Moita disse...

Querida Ana

That's very kind of you.

Em todos os posts que me postaram aí no Duelos, você,
invariavelmente, fez um comentário elogioso a meus versos.

Fiquei com a alta-estima lá em cima. rssss

Tou começando a acreditar que sou poeta. kkkkkkk,

Por questões de saúde abandonei o Duelos e inclusive a Moita. rsssss.

Apareça na Moita, porque eu sou meio analfabeto em informática.
Quando alguém vai à Moita, eu só clico no nome e vou lá ao destino dele. rsssss
1 cheiro

=NuNuNO== Griesbach disse...

Pobre vítima do infortúnio o escritor frustrado, nunca antes lido por ninguém, acordou aprisionado em um grande cofre ao lado de uma pilha de papeis, com poucas horas de oxigênio para escrever suas ultimas palavras.
Sem muito ar, o escritor escreve uma montanha, escreve águas calmas para um lago cheio de vida e respira o ar puro que formou-se entre suas linhas.
Solitário, escreve um bom amigo para conversar. Abraça a pequena página onde seu amigo está escrito e chora pensando nas oportunidades que perdeu de escrevê-lo antes.
O passado... Tão efêmero e comum enquanto presente, e tão eterno e maravilhoso quando só existe na memória. O escritor reescreve seu primeiro amor, escreveu para ela um pouco menos de ciúmes, um pouco mais de fidelidade e pais mais liberais. Escreveu um novo fim, onde se mudaram ao pé de uma linda montanha e, a beira de um lindo lago cristalino beijaram-se sem pressa e respiraram ofegantes após um ato sublime do amor.
Sem mais ar para manter-se acordado, beija a folha com seu grande amor, despede-se da folha de seu amigo e mergulha na escuridão de seus próprios sonhos de felicidade, que nunca se tornaram tão possíveis antes.
Levando consigo apenas uma caneta e alguns papeis, se o paraíso não existir, irá construí-lo palavra após palavra.

=NuNuNO== Griesbach
(Que adorou a proposta dos duelos)

Adh2bs disse...

Prezado Shintoni;

Boa tarde, que prazer rever o "Duelos". Espero que os problemas técnicos estejam sanados para continuarmos apreciando este espaço tão bacana. Tenho duas poesias que serviriam para o tema do mês. Uma é "Amore mio", logo abaixo, outra é "Amores" - mais abaixo ainda. Caso possa participar apenas uma, peço-lhe que publique a segunda ("Amores"). Um grande abraço,
Adhemar

"Amore mio"

Querida,

Se perdoas ou relevas meu mau jeito
apesar de um tanto quanto desvairado
sabes que estás no mais fundo do meu peito,
pro nosso amor é que eu vivo orientado.

Saibas que o tempo só fez crescer o sentimento
de união, de ir em frente o que nos une.
São tantas coisas de um vasto sortimento
que a umas raspas de rancor está imune.

Então olho pra trás, olho pra frente
e te vejo em permanente devoção.
A teus pés sou apenas um vivente
dependente de te levar no coração...

P/ SM
[Adhemar - São Paulo, 26/09/09]

"Amores"

Meu primeiro amor foi Célia.
Tão bonita e fascinante...
Porém era mais velha
Me decepcionou por ser fumante.

Meu segundo amor – Marcela –
Que de tão platônico pereceu,
Era muito superior, tão bela,
Que a este admirador nem percebeu!

Bem mais tarde, Ana Paola foi paixão.
Dessas terríveis, avassaladora.
Até hoje, em meu coração,
Esse sentimento ainda ecoa.

Outra ilusão desse tempo – Iracema –
Era musa atraente e sedutora.
No entanto, um obstáculo, um problema:
De uma legião de fãs era pastora.

A seguir surgiu-me Lígia
Pra me socorrer numa tristeza;
Mas ao perceber-me já fugia,
Pois era eu plebeu, ela princesa.

O meu amor maduro foi Monique,
O que na mocidade mais durou.
Porém, malgrado meu, era tão chique,
Que de mim um dia se cansou.

Então, Cláudia surgiu e surpreendeu,
Apanhando-me desprevenido e sem jeito.
Mas meu coração não respondeu
Fugindo desse afeto com respeito.

Em Ilhéus, a noiva de um fazendeiro,
– Também Cláudia, com todas as letras –
Foi como incursão num picadeiro
E ensinou-me a andar sem as muletas.

Num entretempo, outra Monique conheci,
Vinda dos confins de Mato Grosso.
Tão bacana e tão cheia de si...
Mas era tão menina e eu já moço...

Enfeitiçou-me a seguir a Bernardete
Estabelecendo um condomínio.
Mas era apenas uma professora breve
Transformando o poeta em peregrino.

Elaine Cristina então a sucedeu
Tão linda e luminosa que nem sei.
O papel de príncipe me deu,
Mas ela precisava era de um rei.

E ao final de todo esse aprendizado
Veio Stella, linda e firme se instalou.
O grande amor do homem já formado,
Grande mulher que ao homem completou.


Um imenso e verdadeiro desafio
Para toda a vida se tornou.
Passou pela paixão, pelo calor e pelo frio,
E que docemente triunfou.

Mais que amor, uma profissão de fé.
Mais que amor, a tranqüila confiança.
Mais que amor, é um grande lar em pé.
Mais que amor, somos nós e três crianças...

P/ SM
[Adhemar - São Paulo, 11/03/2006]

Adh2bs disse...

Prezado Shintoni;
Em março, quando o "Duelos" entrou em recesso, além das poesias do tema do mês, comentei a atribuição a mim das contribuições de outro Adhemar. Se vc tiver tempo e paciência, dê uma olhadinha lá, indiquei o que era de minha autoria para que os créditos das contribuições do xará não sejam injustamente atribuídas a mim. Desde já agradeço.
Grande abraço, ótima semana!
Adh

Leila Dohoczki disse...

"Amores da minha vida"


Nas manhãs que se sucessedem
Primaveras vem e vão
Deixam flores nas calçadas
Galhos oferecem a floração
Assim também sou
Feito a primavera...

Nas minhas manhãs
Nem me lembro das manhãs de outono.
Sei que elas virão,
Mas não temo que roube o espaço
Ou que fique mais tempo.

Sou capaz de compreender
Que as flores nascem
No verão, no outono e no inverno
Nascem o ano inteiro...
As flores não nascem por mim
Eu é que existo por elas,
Pelas vermelhas, lilás e amarelas
Por tudo que renasce em mim
E nunca termina.

Em mim, toda manhã nascem
Flores lindas de amor
Sou uma campina florida...

Se sou primavera,
As flores mais belas, meus filhos...

Amores da minha vida!


***************************

Abraços!!

Leila Dohoczki disse...

"...No silêncio da madrugada, sentimentos e pensamentos do poeta libertaram-se. Enquanto fugiam, deixavam rastros no papel..."

yuri disse...

Pequeno Principe

Quando estavamos em seu quarto tinhamos de baixo de nossa pele essa merda de fogo
em um pais onde houvesse apenas maravilhas
mas quando saiamos de lá
sentiamos falta dos pensamentos de contos de fadas que ficavam dentro
eu quero voltar, eu preciso voltar, não posso mais me enganar sobre você
porque eu gostei
quando estavamos em seu pequeno mundo
pensavamos que voar seria facil e real
quando pensamos em contos de fadas, pensamos em "Pra sempre"
você achava, eu achava
que o silencio era igual a nada
mas realmente ele pode doer, cuidado
suas atitudes falam mais que qualquer coisa que você possa dizer
e aqui não é um conto de fadas
você pode ser salvo
meu pequeno.. pequeno.. meu pequeno principe
nen sempre eu sou quem eu quero ser
mas eu posso tentar
ninguem nunca havia acertado quando olhava em meus olhos
e descobria um pouco do que existe aqui dentro
em meu espelho da alma levo seu sorriso junto
eu sinto medo, arrepio, ignorado mesmo quando não sou
você sabia a cor que transmitia, o que significava por dentro
mas você sabia que a qualquer hora eu poderia ir ou ficar
eu não queria sentir o barulho de meus pedaços caindo no shão frio novamente
eu já te disse que você nao precisa
você pode se salvar
mesmo sempre sendo meu principe
meu pequeno.. meu pequeno.. pequeno principe
sabiamos que isso poderia ser quebrado a qualquer dia
e eu só esperava chegar a algum lugar
sabia que não me sentiria perdido
mas você falhou. nós falhamos
e eu prometi para mim mesmo parar de tentar quando percebesse uma falha, mesmo do destino
e tentar de novo
mas o mundo anda em circulos
gira tão rapido que nen percebemos quando o vento passa sobre nos
e agora eu só preciso de pés novos
porque estes aqui já estão cansados
a todo tempo aconteçe, é sem regra alguma
o tempo só esta sendo muito mal comigo
porque nen com o mais poderoso de todos eu consigo te tirar da cabeça
meu pequeno.. pequeno.. meu.. pequeno.. pequeno principe

Lu disse...

Poema de tema livre:

Stop Crying Your Heart Out

Pelo sopro de vento que deixou de bater
Pela vontade de sentir
Pelos sonhos acumulados
Verdades inventadas,
histórias mal-acabadas
Pelos pecados desperdiçados
Por decidir não ir
Pelo tempo a correr
Por tudo aquilo que não foi mais
Por mais.. mais..
Que tudo se faça vivo
E vivendo, que seja eterno
em cada milésimo de segundo
de seu breve existir..

Lu Aline