Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




domingo, 10 de outubro de 2010

Divindade - por Marília Abduani

Eu não amo o teu cérebro, nem o corpo,
nem o teu beijo que me faz dançar.
Se, para mim, tudo que é vivo, é morto,
o que faz rir é o que me faz chorar.

Eu não desejo o teu abrigo torto,
nem teu sorriso ou tua divindade.
Se, para mim, o que muito, é pouco,
o que traz paz é o que me causa alarde.

Punhal bravo dentro em mim se aninha
e, se é de treva a luz que me avizinha,
eu só te quero como distração.

Eu não amo nada mais que o teu reflexo
e só te entendo como um ser perplexo
ante a minha inabalável solidão.
.
.
.

Nenhum comentário: