Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




sábado, 8 de agosto de 2009

Feliz Aniversário, Lilinha! - por Alba Vieira

Ela é a irmã mais velha numa família de oito irmãos, o braço direito da mãe. Veio com o Destino 2 na Numerologia e, desde cedo, ficou ao lado da mãe cuidando dos irmãos mais e da casa.
Sempre foi diferente, já demonstrava isso na letra, que eu sempre achei linda, exatamente por ter um padrão individualíssimo. Quando criança, adorava rir e o irmão mais velho que ela, o brincalhão, era a sua principal motivação. De natureza delicada e refinada, gostaria de fazer tudo com calma e esmero. Mas a vida quis que ela desenvolvesse a capacidade de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Conservou a meticulosidade e, para ter eficiência, sofreu as consequências do estresse. Sempre trabalhou muito em casa e, logo cedo, na fábrica Klabin, onde seu trabalho perfeito logo conquistou os diretores que muito a prezavam.
É a minha madrinha e dela tenho as melhores recordações da infância. Usava todo o seu salário para ajudar nas despesas da casa e comprar o que fosse necessário para os irmãos e sobrinhos. Gostava de me comprar roupas na manufatura Rio, ligada à fábrica, que escolhia com todo o carinho e instinto maternal. Quando eu ainda era bebê, ela também me ninava cantando Balada Triste, revezando com minha mãe. Certamente que devo as duas, meu gosto por cantar. Trazia da biblioteca do trabalho, pesados volumes infanto-juvenis, de autores clássicos para eu ler nos fins-de-semana. Levava a mim e ao meu irmão mais novo às festas de Natal da fábrica, onde recebíamos belos presentes todos os anos.
Era ela quem ajudava a dar banho e arrumar os irmãos. Aprendeu muito cedo a ser mãe e, por natureza, gostava desse papel. Sempre foi muito carinhosa com os pequenos. Mas se irrita diante da pressa, da autoridade, de regras, ela que é leonina.
Quando fui fazer o vestibular, saiu comigo para me inscrever no cursinho e na faculdade, junto com minha mãe, era quem me aconselhava nos momentos mais difíceis. E foi graças a ela que eu não me desliguei já no último ano do curso, por ser totalmente contrária a procedimentos realizados a título de estudo científico em pacientes de hospitais universitários. Ela me alertou de que para poder fazer medicina do meu jeito, era preciso, antes, me formar e assim eu fui até o fim.
De inteligência brilhante, o seu sonho era estudar Medicina, mas as condições da família na sua época não permitiram e teve que encerrar os estudos no fim do colegial para ir trabalhar. Mesmo assim entrou para a Cultura Inglesa onde, estudando à noite, completou o longo curso.
Sempre adorou estudar e ler. Lia muito e também escrevia. Eu sempre adorei ler seus textos, de uma clareza impressionante, aliada ao romantismo sempre presente em sua vida.
No trabalho, conheceu o grande amor de sua vida, com quem se casou aos 30 anos. Veio morar perto de nossa casa e, com saudade, ficava dando adeus pela janela do apartamento, de onde podia enxergar nossa casa. Nunca deixou de ter saudade da vida que levava na casa cheia e barulhenta, mas passou a apreciar a vida a dois, silenciosa e romântica. Continuou a trabalhar por alguns anos, mas acabou deixando o emprego quando ficou grávida. Queria ter seus filhos, mas a vida tinha para ela outros planos. Assim, tentou por quatro vezes sem sucesso, o que marcou profundamente sua vida. Foram anos de tentativas e, até entender que não era para ter seus próprios filhos, teve que superar muita mágoa e ressentimento. Seu caminho era transcender questões pessoais, e foi uma empresa penosa.
Afinal, compreendeu que a vocação para mãe ela viveu e poderá viver por toda a sua vida através de filhos gerados por outras pessoas. Nisso ela se superou.
Os sobrinhos que vieram depois se beneficiaram de seu carinho imenso. Era ela que dava banho neles, fazendo com a espuma do sabonete “bonequinhos de neve” em demoradas brincadeiras. Ela os penteava, arrumava para a escola, os levava e trazia de volta pra casa. Nas festinhas de aniversário e da escola esteve sempre presente e é madrinha de alguns. Mas sempre ficou a saudade de seus próprios filhos. É difícil para ela aceitar o fato de ter-se preparado tantas vezes para a maternidade e ter sido frustrada. Este entendimento exige muito de quem passa por esta vivencia.
Agora, com os sobrinhos criados, vive uma vida mais tranquila ao lado de seu amor, de quem cuida com enorme desvelo, ela que nasceu para cuidar e se dedicar aos outros.
Na família, talvez seja ela a mais lúcida, a mais realista, a mais preparada para lidar com a vida e as perdas.
Todos nós temos muito a lhe agradecer, eu em especial, sobretudo pelos belos momentos da infância proporcionados por ela e a inspiração e as trocas na maturidade.
Aprendi muito da vida com ela, cujas vivências me trouxeram a necessidade de buscar explicações para os acontecimentos trazidos pelo destino, me encaminhando para os estudos esotéricos. Sempre foram muito interessantes e proveitosas as nossas discussões sobre vida e espiritualidade.
Agradeço a ela por tudo que representa em minha vida e desejo que possa desenvolver a capacidade de dedicar todo o carinho, cuidado e atenção que tem com aqueles que ama profundamente para si mesma. Tenho certeza de que ainda viverá calmamente seus dias escrevendo, estudando, dividindo suas impressões sobre a vida, mas fazendo muitos mimos a si mesma e sendo muito mais feliz.



Visitem Alba Vieira
.

Nenhum comentário: