Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Confabulando - por Leo Santos

A bruxa malvada da aventura te enfeitiçou,
e “dormistes” à espera de um beijo;

Já que príncipe aos teus olhos não sou,
às voltas com meus “sete anões” me vejo…

Atchim, resfriado crônico, acompanha-me por onde for,
consequência inevitável da privação do teu calor.

Soneca é uma ironia, qualquer adejar me põe alerta,
aumentando a agonia, já que você “Branca” nunca desperta.

Dunga, o menor dos minutos, tem seu aparte, sua deixa,
privado do som abdica da mímica; seu mutismo, sua queixa.

Dengoso, o depressivo, manipula por sua carência;
Recusa alternativa e cultiva seu vício, a dependência.

Zangado chuta o balde, alheio ao que derrama;
Qualquer seixo gera faísca, qualquer cisco e ele inflama.

Feliz, uma utopia, o anuro sonhando virar nobre;
O espelho quebra a magia e o pranto a face lhe cobre.

Mestre empresta, do tempo, a experiência inexorável;
e ensina, com o exemplo, a aceitar o inevitável.

Fabulosa sina ingrata, sombria perspectiva;
Sete mineiros cavando prata,
uma mina de ouro inativa…



Visitem Leo Santos
.
.

Um comentário:

Ana disse...

A-DO-REI!!!
Muito bom!