Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Bruna Lombardi, “Você Engole Borboletas Eu Tenho o Sol na Barriga” - Citada por Penélope Charmosa

Você engole borboletas
eu tenho o sol na barriga.
Você sempre anda de óculos
eu leio coisas antigas.

Você vara a noite
eu desenho cataventos.
Você gosta de ficção
eu tenho outros inventos.

Você anda desligado
e eu busco perspectivas.
Você me conta seus sonhos
e me ri e me cativa.

Eu tenho medo da noite
você ama a solidãoo meu amor se reflete
nas pupilas dos olhos de um cão.

Você teoriza a matéria
e eu adoro hidrantes.
Você quer a liberdade
e eu só vivo o instante.

A gente faz uma viagem
e vê estrelas cadentes
e eu sonho um mar onde nado
e me afundo contra a corrente.

Você geme e se revolta
e eu penso no seu beijo
e enquanto você conversa
me dói no corpo o desejo

me arde no corpo o desejo
eu me espreguiço me espicho
e me chego e te provoco
meio anjo meio bicho.

Você me conta um segredo
eu te mostro um encanto
enquanto você toca flauta
desafinada eu canto.

Você absorve a paisagem
eu procuro a maravilha.
Você deixa alguns vestígios
e eu vou seguindo a trilha.

Você fala em liberdade
e eu me prendo no teu traço
você é abstrato divaga
eu te olho e te embaraço.

Ando na rua devagar
você corre na avenida
você tem melancolia
eu tenho medo da vida.

Você fala ao telefone
cercado dos seus amigos
eu passo os dias muito só
e só entendo depois que digo.

De repente vem o encontro
sem que a gente entenda o nexo
eu te vejo e me compreendo
e me vejo em teu reflexo.

Eu te transmito fluidos
de uma forte ligação
e recebo uma corrente
quando pego na tua mão.

Você tem um magnetismo
eu sou dotado à magia
nossas auras se atraem
por uma questão de energia.

Você cospe margaridas
tem o mundo nas entranhas
eu fico horas olhando
o orvalho na teia de aranha.

E a gente se precisa
como a um aditivo
numa coisa estranha a nós
sem razão e sem motivo.

São coisas transcendentais
é inútil que eu lhe diga.
Você engole borboletas
eu tenho o sol na barriga.



In “No Ritmo Dessa Festa”.
.
.

Um comentário:

Ana disse...

É linda esta poesia! Linda, linda, linda!