Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




quarta-feira, 8 de julho de 2009

Pegou Geral... - por Ana

Bem, Fatinha, vamos sentar aqui nas mesinhas do Litercafé, pra você não cair dura pra trás, tá?

EU VI Tropa de Elite mais de uma vez e vou comprar.
Porque: o Wagner Moura dá um bigultrasupermegashow de interpretação. O cara é O CARA!!!
E é um filme brasileiro de primeiríssima categoria (por exemplo, só uma figurante foi horrível e geralmente a relação é inversa).
Adorei o roteiro, achei o tema muito bem desenvolvido.
Quando eu assisti a Central do Brasil, esperei alguma coisa muito boa e vi uma direção ruim, que transformou a Fernanda Montenegro naquilo que se viu, e um roteiro fraquíssimo quando poderia ser estupendamente bem abordado. Então, assisti a Tropa de Elite pela primeira vez sem nenhuma expectativa positiva (muito pelo contrário) e fiquei pasma.
Dou os parabéns convictos a todos que tornaram real a antiga utopia de que brasileiro pode fazer filme de ótima qualidade.
Só uma pequena ressalva: a abertura poderia ser melhor...

E agora vou conversar com os outros que estão aqui hoje, tá?
Beijo, amiga!



Resposta a Eu Não Vi Tropa de Elite, de Fatinha.
José Padilha

7 comentários:

_Gio_ disse...

Alguém que concorda comigo que "Tropa de Elite" foi um bom filme!

escrevinhadora disse...

Eu também vi Tropa de Elite e achei excelente.
Primeiro, por ser um filme brasileiro muito bem produzido, segundo porque o Wagner Moura arrebenta numa interpretação fantástica e ainda porque lá está nossa realidade nua e crua (triste, mas é a nossa e o que se há de fazer...)
Na verdade, só não gostei muito da música. E como não gostei, não aprendi, não sei cantá-la.

Bruno D'Almeida disse...

Adorei Tropa de Elite, sobretudo pelo roteiro, que tem uma verossimilhança fanstástica. As pessoas podem criticar o posicionamento do personagem, mas o filme mostra de maneira crua a marginalidade do ponto de vista do policial. Bráulio Montovani, o roteirista, foi o mesmo de Cidade de Deus, e não ficou o mesmo filme, apesar de tratar de favela, tráfico e polícia.

Ana disse...

Gio:
Foi ÓTIMO filme!
Toda vez que vejo não quero que termine nunca.
É um filmaço!

Ana disse...

Escrevinha:
Também não sei cantar, mas o refrão me foi lembrado pela Fatinha e eu aproveitei...
Beijo.

Ana disse...

Bruno:
Como este comentário virou post, te respondo lá, tá bom?
:)

Ana disse...

Ha! Ha!
Pegou geral mesmo!
hauhauhauh