Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

O Rei da Terra do Nunca - por Gio

Alguém disse em algum programa hoje que ninguém vai esquecer o que estava fazendo quando recebeu a notícia da morte do Rei do Pop. Eu certamente vou lembrar: estava entrado no MSN, para falar com meu colega sobre um trabalho (cuja epopeia vocês vão saber semana que vem), e quando abriu o MSN Hoje, apareceu a notícia “Astro do Pop: Michael Jackson morre aos 50 anos”. Pensei que era pegadinha, e cliquei para ver se era algum tipo de piada. Tive que ler a notícia, entrar em alguns dos links, e perceber a inundação no meu Twitter para finalmente acreditar.

Ignorem então a minha teoria sobre acordar cedo: pelo jeito, ultimamente as notícias ruins vêm sem precisar de desculpa. Notícia ruim, sim! Perdemos mais que um ídolo: perdemos um gênio da música e da dança, um inovador, alguém tão bom que conseguia fazer com que mesmo pessoas que não gostassem de seu estilo voltassem os olhos para ele e sua música. Johnny Cash nos deixou em 2003, e ainda há pessoas que não sabem que ele morreu; mal faz um dia que Michael Jackson faleceu, e não há quem não saiba – o mundo parou.

Uma bomba que pegou de surpresa para muitos, uma simples consequência de seu histórico para outros (ou mesmo uma jogada estratégica para escapar das dívidas, para os conspiracionistas de plantão), a morte de Michael Joseph Jackson causou efeitos curiosos. A imprensa que, há pouco mais de um ano atrás, decretava o fim de sua integridade moral e carreira, agora o exalta como um deus (isso me lembra o Brizola). Seus CDs duplicaram de preço no Amazon... e esgotam. Sua esposa, que tinha cedido a guarda dos filhos magicamente aparece, querendo novamente a guarda. Comparado com os últimos falecimentos, esse é disparado o que rendeu menos piadas.


O artista Michael Jackson é algo indiscutível, as opiniões a respeito são como um dogma, quase unânimes. O ponto que gera polêmica e divergência é a pessoa Michael Jackson, esse ser enigmático que era negro, se tornou branco, e hoje é cinza (Desculpem, não pude evitar!).

Aliás, esse ponto de mudança de cor da pele é um dos mais criticados: é considerado renegar a própria raça. Excluindo as vertentes que dizem que o clareamento veio de um vitiligo extremamente uniforme, eu pergunto: ele não tinha motivos para renegar a raça? O pai, a maior referência de um homem, era um ser rígido e enérgico. Muitos falam que os ensaios do Jackson 5 eram vigiados pelo pai e seu chicote. É verdade? Não sei, mas isso explicaria muito de seu comportamento.


Outro foco são as acusações de pedofilia. Muitas feitas, nenhuma provada, e um acerto milionário com uma família para alimentar a discussão. Sinceramente, eu tenho as minhas dúvidas quanto a ele realmente ter feito alguma coisa. Sim, podem me chamar de louco. Hoje em dia o mundo está deturpado a tal ponto, que é tão difícil acreditar que um adulto goste de crianças sem nenhuma intenção sexual? Se ele dizia que dormia, e só dormia com as crianças, é tão absurdo acreditar nisso?

Michael era uma criança grande, isso era notado frequentemente em seus atos muitas vezes imprudentes (como a clássica cena do filho na sacada). Quando as acusações chegaram, ele era um artista em seu auge, com uma reputação a zelar. As crianças supostamente abusadas mudaram seus depoimentos algumas vezes, não tinham nada a perder, e calaram-se quando um acerto financeiro foi feito. Quem tem mais chances de estar mentindo?

Eu vejo Michael como um Peter Pan da vida real: uma criança que não cresceu, e por isso sofreu duras críticas no “mundo dos adultos”. E esse mundo duro e implacável foi o que trouxe uma infância triste, e também invejosos e aproveitadores na mesma proporção de seus fãs. Com sua imagem na lama, a criança que não sabe controlar as finanças gastou mais do que devia. No final, teve até que abrir mão de sua Terra do Nunca.


Mesmo com tudo contra, o Rei saiu por cima. Foi o maior artista pop, teve o álbum mais vendido de todos os tempos. Inseriu o conceito de videoclipe, e mudou a nossa maneira de ver a música. Tem mais admiradores, fãs e covers que qualquer um já sonhou. Não adianta: rei que é rei, nunca perde a majestade.
.
.
.Postado, originalmente, em 26/06/2009.
.
.
.Visitem Gio
.
.

Nenhum comentário: