Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




terça-feira, 25 de agosto de 2009

Bruna Lombardi em “Descrição II” - Citada por Penélope Charmosa

Ela tem uma espécie de luz quando caminha pela casa.
É cristalina, um mar que a gente olha e vê o fundo, o
olho dela. Sempre de branco fica zinzando pela casa
distraída, coisas inúteis, coleções de búzios, de
desenhos, bugigangas, nomes para as coisas e esse
jeito de sentar-se sobre as pernas, como se pensasse.
Às vezes mãos no bolso. Mas quase sempre um livro,
umas tintas, um bichinho, uns papéis, uma fruta,
umas bobagens, ou. Sempre nas mãos alguma coisa
sem motivo.
Animalzinho leve demais para enfrentar o vento, que
se encosta e se espreguiça, que se enrola e se enrosca,
mimada pela vida, sensual, comodista.
Insensata até as lágrimas, feroz sem se dar conta,
cruel sem percebê-lo, bicho de garras pronto pro
bote, frívola, caprichosa, egoísta, mas com uma
responsabilidade grave, aguda e maternal como todas
as mulheres.
Frágil de se olhar, mas força interna, de orgulho e de
arrogância e dessas sabedorias estranhas de intuir, de
adivinhar de repente coisas impossíveis, só pelo
gosto de me deixar perplexo.
Olhar de quem tem parte, alma de bruxa. Dona do
absurdo e de toda fantasia. Cúmplice de toda
extravagância e de toda sorte de inventos. Conversa
com as coisas, gosta de sapos. Mágica como um
feitiço, bonita como um mistério.
Não é coisa desse mundo, é uma intrusa. Uma maga
com poderes secretos e perigosos, que desafia todas
as leis.
De repente coisa séria, antiga, profundamente
conhecedora, misturada com o sofrimento, marcada
desde sempre pelo traço inconfundível da fatalidade.
Orgânica. Uterina. Humana até o desespero.
Subitamente tem um reino e todas as coisas lhe
obedecem.
E depois ri. E quebra tudo com seu riso, a unidade,
a expectativa, o silêncio, a rotina, a sensação de
morte e o termo indivisível. Uma quebra o seu riso.
Uma ruptura.
Seu riso natural de água, de fogo, de graça, de
malícia, de irresponsabilidade desaba sobre nós que
temos medos.



In “No Ritmo Dessa Festa”.
.
.

Um comentário:

Ana disse...

Muito lindo.