Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




sexta-feira, 10 de julho de 2009

Michel de Montaigne e as Ações Humanas - Citado por Penélope Charmosa

Fazemos coisas iguais com forças diversas e diferente esforço de vontade. A ação vai bem sem a paixão. Pois quantas pessoas se arriscam diariamente em guerras que não lhes importam, e se sujeitam aos perigos de batalhas cuja perda não lhes perturbará o próximo sono? Um homem na sua casa, longe desse perigo que não teria ousado encarar, está mais interessado no desfecho dessa guerra e tem a alma mais inquieta do que o soldado que põe nela o seu sangue e a sua vida. Essa impetuosidade e violência de desejo mais atrapalha do que auxilia a condução do que empreendemos, enche-nos de acrimônia e suspeição contra aqueles com quem tratamos. Nunca conduzimos bem a coisa pela qual somos possuídos e conduzidos.
Quem emprega nisso apenas o seu discernimento e a sua habilidade procede com mais vivacidade: amolda, dobra, difere tudo à vontade, de acordo com as exigências das circunstâncias; erra o alvo sem tormento e sem aflição, pronto e intacto para uma nova iniciativa; avança sempre com as rédeas na mão. Naquele que está embriagado por essa intensidade violenta e tirânica vemos necessariamente muita imprudência e injustiça; a impetuosidade do seu desejo arrebata-o: são movimentos temerários e, se a fortuna não ajudar muito, de pouco fruto. A filosofia quer que do castigo pelas ofensas sofridas eliminemos a cólera; não para que a vingança seja menor mas, pelo contrário, para que seja mais bem assestada e de mais peso; e parece-lhe que tal impetuosidade põe obstáculo a isso. A cólera não apenas perturba como, por si, também cansa os braços dos que castigam. Esse fogo entorpece e consome-lhes as forças. Como na precipitação, a precipitação é lenta (é causa de demora) (Quinto Cúrcio), a pressa dá rasteira em si mesma, entrava-se e intercepta-se. A precipitação enreda-se em si mesma (Sêneca). Por exemplo, de acordo com o que vejo na prática habitual, a cupidez não tem maior estorvo do que ela mesma: quanto mais tensa e vigorosa for, menos fértil será. Em geral ela agarra mais prontamente as riquezas quando mascarada por uma imagem de liberalidade.



In “Ensaios”.
.

Um comentário:

Ana disse...

"A ação vai bem sem a paixão."
Adorei!
Concordo totalmente!