Bem-vindo ao Duelos!
Valeu a visita!
Deixe seu comentário!
Um grande abraço a todos!
(Aviso: Os textos em amarelo pertencem à categoria
Eróticos.)




segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Alberto Moravia (Biografia) - Enviada por Ana

Alberto Moravia, pseudônimo de Alberto Pincherle (Roma, 28 de novembro de 1907 - Roma, 26 de setembro de 1990) foi um escritor e jornalista italiano. O sobrenome Moravia era de sua avó paterna. Seu pai, Carlo Pincherle Moravia, arquiteto e pintor, nasceu em Veneza, numa família hebraica. Sua mãe, Teresa Iginia De Marsanich, era de Ancona.
Quando jovem, Moravia teve tuberculose e passou uma significativa parte de sua adolescência em convalescência, tendo sido prejudicado nos estudos.
Começou escrevendo para a revista 900 onde publicou seu primeiro conto. Escreveu sua primeira novela, “Os Indiferentes”, em 1929. Trabalhou durante muitos anos no jornal Il Corriere della Sera, tendo viajado para a Inglaterra (onde morou dois anos), Estados Unidos, México e China.
Em abril de 1945 casa-se com Elsa Morante. Autor considerado persona non grata pelo regime fascista de Mussolini, é obrigado a trabalhar como roteirista cinematográfico sob outro nome, por causa das leis raciais vigentes. No pós-guerra, volta a trabalhar como escritor e roteirista,conhecendo Pier Paolo Pasolini e também começa a trabalhar como crítico cinematográfico no L’Expresso. Foi também eleito representante da Itália no Parlamento europeu, por uma lista do Partido Comunista Italiano, de 1984 até sua morte.

Obra
Escreveu vários livros que se caracterizavam por uma crítica frontal à sociedade europeia do século XX que ele achava hipócrita, hedonista e acomodatícia. Em seus escritos são recorrentes os temas da sexualidade, existencialismo e alienação do indivíduo. Vários livros seus foram adaptados para o cinema, os mais famosos são O Desprezo, de Jean-Luc Godard e O Conformista, do diretor Bernardo Bertolucci, em 1970. Também escreveu a Virgem Guerreira.
Sabe-se agora, que em 1958 perdeu o Prêmio Nobel de Literatura por causa duma jogada da CIA em plena Guerra Fria. O Prêmio foi, nesse ano, entregue a Boris Pasternak pela obra Doutor Jivago, que foi impressa à última hora e entregue na Academia Sueca pela Central de Inteligência Norte-Americana.

Bibliografia
1927 - La cortigiana stanca1929 - Os Indiferentes
1935 - La Bella Vita
1935 - Le Ambizioni Sbagliate1937 - L’Imbroglio (novelas)
1940 - I Sogni del Pigro1941 - La Mascherata
1943 - L’Amante Infelice1943 - La Cetonia
1944 - Agostino
1944 - L’Epidemia (contos)
1947 - A Romana
1947 - L’Amore Coniugale (contos)
1947 - La Disubbidienza (contos)
1947 - O Conformista
1949 - L’Amore Coniugale
1954 - Il Disprezzo
1954 - Racconti Romani1957 - Duas Mulheres
1959 - Nuovi Racconti Romani
1960 - La Noia
1962 - L’Automa (contos)
1963 - L’Uomo Come Fine (ensaio)
1965 - L’Attenzione
1969 - La Vita è Gioco
1970 - Il Paradiso
1970 - Io e Lui
1972 - A Quale Tribù Appartieni1973 - Un’Altra Vita
1975 - Al Cinema (ensaios)
1976 - Boh
1978 - Una Vita Interiore1980 - Impegno Controvoglia
1983 - La Cosa e Altri Racconti (contos)
1985 - L’Uomo Che Guarda1986 - L’Inverno Nucleare (ensaios e entrevistas)
1990 - La Villa del Venerdì e Altri Racconti


.

Nenhum comentário: